quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Área plantada aumenta mais de 5% em sete culturas

A área cultivada de milho deverá aumentar na Região
Os sete principais produtos agrícolas cultivados no chamado plantio das águas (algodão, amendoim, arroz, batata, feijão, milho e soja) devem ter em 2013 um aumento de área ocupada em 5,2%, comparativamente ao ano anterior, totalizando 1,37 milhão de hectares, tendo como destaque o acréscimo da área de soja e milho.
Os dados foram obtidos por pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEA) e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgãos da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo. As informações foram fornecidas em setembro último, por técnicos das casas da agricultura de todos os municípios paulistas, segundo o IEA. Um novo levantamento estava programado para o mês de novembro, mas os dados ainda não foram divulgados pelo instituto. Este último trabalho deverá projetar os primeiros números de produção e produtividade para as culturas das águas, no ano agrícola 2012/2013.
 
Culturas em fase de encerramento
            A safra paulista de laranja está estimada em 363,9 milhões de caixas de 40,8 kg, volume 5,4% inferior ao obtido no ano anterior. O fenômeno pode ser creditado aos fatores climáticos, como a baixa precipitação na época do pegamento, o que reduziu a quantidade de frutos por planta da primeira florada. Outro motivo bastante significativo é a maior incidência de doenças que vêm acometendo os pomares, como a pinta-preta, o cancro cítrico e o greening, provocados tanto pelos fatores climáticos ocorridos no início de 2012 como pela falta de investimento nos tratos culturais. A expectativa dos citricultores para essa safra quanto à produtividade média por hectare é ligeiramente superior (735 caixas de 40,8kg por hectare) ao ano safra anterior, que foi de 732 caixas por hectare, segundo o IEA.
Para cana-de-açúcar, a previsão do volume a ser produzido é de 419,6 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 3,4% em relação à safra anterior, com produtividade esperada de 78,8 t/ha, (+ 2,3%). Em relação à área total cultivada, a expansão da cultura deve crescer 2,5%, enquanto para a área para corte o aumento previsto é de 1,0%. Apesar dos números atuais serem positivos na comparação com a safra 2010/11, o ritmo de crescimento é menor quando comparados as safras dos anos de 2001 a 2010.
 
Safra 2011/2012
Na pesquisa efetuada em setembro foram também obtidos alguns números finais para a safra agrícola 2011/12. Os dados da estimativa de feijão de inverno (excluindo o irrigado) apontam para incremento de 2,9% na área plantada, mas perdas de 14,2% na produção obtida, por conta da menor produtividade da terra. Para a cultura irrigada houve ganhos de área (5,8%), de produção (1,4%) e também perdas na produtividade (4,2%).
A área plantada com milho safrinha ficou em 301,8 mil hectares, 8,4% maior que a obtida na safra passada. O volume produzido nesta safra agrícola de 22,6 milhões de sacas de 60kg foi 71,4% maior ao de 2010/11, devido ao recorde de produtividade de 4.487 kg/ha. Esse bom resultado da safra atual pode ser explicado pela boa condução da lavoura e pelas adversidades climáticas enfrentadas no ano passado com estiagem no início do plantio, geada na fase de florescimento e granação. Para a soja safrinha, os números finais apontaram crescimento de 36,5% na área totalizando 11,3 mil hectares e de 30,8% na produção (473 mil sacas de 60 kg), em relação à safra anterior. Em virtude da expansão das áreas de milho e soja, houve diminuição do cultivo de trigo na safra 2011/12 em comparação com a safra anterior. Registraram-se quedas de 31,0% na área e de 18,5% na produção, porém o rendimento foi superior em 18,1%. Situação semelhante se deu a cultura de triticale, com decréscimos de 11,4% na área, 2,8% na produção e acréscimos de 9,7% no rendimento. A estimativa final de produção de café no Estado de São Paulo 2011/12, indicou que a colheita tenha alcançado 5,356 milhões de sacas de 60kg beneficiado, representando incremento de 36,72% frente a safra anterior. Também, foi constatado aumento de 2,18% na quantidade colhida inclusive frente ao penúltimo levantamento subjetivo de setembro de 2012, revelando o grande potencial produtivo das lavouras paulistas. O estímulo propiciado pela elevação nas cotações ocorrido no segundo semestre de 2011 fez avançar o plantio de novas áreas que totalizou nesse levantamento final 16.893,66ha cultivados, significando incremento de 6,29% frente ao levantamento de 2010/11. Os números contabilizados confirmam tendência já observada de recomposição da cafeicultura paulista em patamar de maior eficiência técnico-produtiva e de qualidade.
 
Itapetininga e Região
            Na área do Escritório de Desenvolvimento Rural de Itapetininga (EDR), que compreende os municípios de Alambari, Angatuba, Campina do Monte Alegre, Capão Bonito, Cesário Lange, Guareí, Itapetininga, Porangaba, Quadra, Ribeirão Grande, São Miguel Arcanjo, Sarapuí, Tatuí, Torre de Pedra, o estudo do IEA aponta para redução na área plantada nas culturas de batata e feijão das águas, em relação à safra anterior.
            No caso da batata, que teve uma área cultivada de 2.950 hectares no levantamento final da safra 2011/2012, a previsão é de que sejam plantados 2.910 há em 2012/2013, conforme dados do IEA. Para o feijão, a redução será de 7.790 para 7.775 há.
            Quanto ao milho, de acordo com a intenção de plantio informada pelos técnicos, a safra 2012/2013 chegará a 58.489 hectares na região de Itapetininga, um aumento considerável em relação à safra anterior, que contabilizou 51.575 ha, o que é uma boa notícia, ainda mais se considerarmos que a região de Itapeva, principal produtora no Estado, terá redução na área plantada, que deverá cair de 69.960 ha para 66.250 hectares.
            A soja, por sua vez, terá um aumento significativo em todo o sul de São Paulo. Em Itapetininga passará dos 10.940 hectares registrados na safra anterior, para 18.470 nesta safra; um crescimento considerável, mas ainda tímido se comparado ao da região de Itapeva, cuja previsão é de que ultrapasse os 100 mil hectares, superando em muito os 84,590 da safra anterior. A soja irrigada também deverá crescer na região, passando dos atuais 5.800ha para 6.700ha. Em Itapetininga, por outro lado, a expectativa é de retração da soja irrigada, com a área plantada caindo de 1.100 hectares para 803ha.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Natal e Ano Novo: o que fazer com os animais de estimação

o animal de estimação precisa estar perto do dono
Final de ano é uma época festiva, cheia de comemorações, festas e muito barulho. Aproveitando as férias de verão, muitas famílias fazem planos de viajar. Mas e quanto aos bichos de estimação? O que fazer? Levá-los na viagem ou não? E se ficar, onde e com quem deixar? São algumas das dúvidas que pairam sobre as cabeças dos proprietários dos animais. Na virada do ano então, a preocupação é com os fogos de artifício, que podem assustar os bichos. O Marconews traz algumas dicas para você aproveitar as festas, sem descuidar da saúde e segurança do seu pet.
            “Caso a rotina da família mude, com viagens e visitas, é necessário prestar atenção em alguns detalhes: O bichinho tem medo de fogos de artifício? A família vai viajar? Ele vai junto? Ele fica bem sozinho em casa? Existe um hotelzinho de confiança? Vários cuidados devem ser tomados ao sair da rotina, mas os cuidados variam com a decisão a ser tomada. Na dúvida, sempre consulte seu médico veterinário”, orienta a veterinária Maialú Canal, do Grupo Polivet-Itapetininga.
            Segundo ela, se o animal for medroso e não gostar de fogos de artifício, o ideal é que o dono mantenha-o perto de si. “Evite prendê-lo em lugares que possa se machucar, especialmente em áreas com portas de vidro, ou que eles possam pular. A maioria das emergências atendidas no Grupo POLIVET-Itapetininga na noite de Natal e ano novo são de animaizinhos que se cortam, ou fogem para a rua e são atropelados, por medo dos fogos. Caso você não consiga controlá-los em casa, procure um hotel de confiança, fale com o seu veterinário, e avise da situação. É melhor passar o ano novo longe de seu amigo, do que perdê-lo para sempre”, recomenda a profissional.
            Maialú informa ainda que, “em casos específicos, calmantes (sedativos) podem ser indicados, mas ressalta que “apenas o médico veterinário poderá dizer se este é o caso de seu animal ou não. Normalmente, os casos mais usados são em animais cujos donos irão viajar, e não gostam de ficar sozinhos, ou animais que tem medo de fogos de artifício. É sempre preferível evitar esse tipo de medicação, quando possível. Se o seu animal é um candidato a estes tratamentos, procure seu médico veterinário, apenas ele poderá confirmar a necessidade, assim como prescrever a melhor medicação e dose para seu bichinho”.

Na estrada
            Se você e se amigo são inseparáveis e vão viajar juntos, alguns cuidados também precisam ser observados. “Se seu companheiro não está acostumado a andar de carro e viajar, pode ser interessante que o médico veterinário receite uma medicação contra enjoo”, alerta Maialú Canal. Afinal, muitos donos incaultos têm surpresas desagradáveis quando levam seus bichos passear de carro logo depois de uma refeição.
            “Especialmente nesses casos, é aconselhável não alimentá-los logo antes de sair para viagem, e dar-lhes pelo menos algumas horas de jejum. De qualquer forma, é importante que o animal tenha sido vacinado contra raiva e com a vacina múltipla, aplicada por um  médico veterinário, há menos de um ano. Essa documentação deve sempre acompanhar o bichinho”.
 
Sempre perto
“Assim como as crianças, o animal não consegue falar como está se sentindo, mas demonstra de forma muito clara. É importante sempre ter água para dar a ele, especialmente no calor, não deixá-lo sozinho no carro, levar a ração com a qual ele está acostumado e lembrar que ele está indo viajar para lhe fazer companhia, então ele deve ficar próximo a você”, afirma a veterinária.
No caso do dono ficar hospedado em hotel, é importante que se informe primeiro se o estabelecimento aceita animais. “Embora isso esteja mudando com o tempo, nem todos os hotéis aceitam animais. Garantam a reserva em um hotel que aceite seu animalzinho. Garantam, também, que o cachorrinho não vá ficar latindo e incomodando outros hóspedes. Lembre-se, você não é o único no hotel”, adverte Maialú Canal.
Se a família decidir deixar o animal, seja em hotelzinho para bichos ou aos cuidados de amigos e parentes, a escolha depende de alguns fatores. “É sempre menos estressante para o bichinho ficar em casa, em um local conhecido, do que ir para um lugar estranho, com animais desconhecidos. Mas para ele ficar em casa, precisa primeiramente ficar bem sozinho, não ter problemas com o barulho dos fogos, e ter alguém que o conhece e é de confiança para cuidar do menino ou menina. Se algum desses pré-requisitos não forem cumpridos, o melhor é internar o bichinho; colocá-lo em um hotel”, aconselha Maialú, ressaltando que o hotel escolhido “deve ser de confiança, de preferência com uma equipe que o animalzinho já conheça e se identifique”.
 
Cuidados com a saúde do mascote
Animal saudável é animal feliz
“Por mais que tentemos evitar burocracia em nossas vidas, temos de lembrar que quanto mais fáci forl deixar nosso bichinho em um hotel, mais fácil será dele pegar uma doença lá. Nosso hotel, do Grupo POLIVET-Itapetininga, é voltado a pacientes que tenham programa de saúde em nossa empresa, ou seja, são controlados e frequentemente nos visitam para uma avaliação geral. É uma garantia de que seu amigo não pegará pulgas ou carrapatos, assim como outras doenças, em nossas dependências. Garanta que o hotel só aceite pacientes vacinados e livre de pulgas, carrapatos, e outros parasitos”.
“Sempre que for levar seu animal em uma viagem, é importante comunicar ao médico veterinário e garantir que ele esteja em perfeito estado de saúde. Os pacientes do Grupo POLIVET-Itapetininga com programa de saúde tem uma garantia maior, pois são frequentemente avaliados por médicos veterinários. Caso ocorra do animalzinho ficar doente na estrada, é muito importante comunicar ao seu médico veterinário de confiança. Ele poderá te indicar a melhor solução e, se necessário, poderá indicar um médico veterinário na região em que você se encontra”, orienta Maialú.
“Lembrem-se que há mais casos de intoxicação medicamentosa por leigos (proprietário, por exemplo) do que de cura de leigos aos animais. Não medique seus animais, sem saber o que está fazendo, leva-o a um MV competente”, explica o médico veterinário Ivo Canal, diretor-clínico do Grupo Polivet-Itapetininga. Com vasta experiência em saúde animal, ele ressalta que “todo cão e gato devem ser vacinados contra raiva anualmente, esta é uma exigência legal. Além disso, devem tomar pelo menos a vacina múltipla, em clínica veterinária”.
Os profissionais lembram ainda que para viagens interestaduais, “ é necessário portar a carteira de vacina, com atestado de vacinação contra raiva há menos de um ano. Com estes documentos, necessariamente, precisa-se retirar um GTA – Guia de Trânsito Animal, necessário para atravessar barreiras interestaduais. Para viagens internacionais esta vacina também é exigida, mas é necessário algumas outras providências, na dependência de onde o animal irá”.
“Para a Europa, por exemplo, é necessário que o animal esteja microchipado e tenha um exame sorológico três meses antes da viagem. Consulte seu veterinário antes de marcar as viagens, ele pode te fornecer mais detalhes”, diz Maialú Canal.
“Sempre que for levar seu animal para viagem, consulte o médico veterinário. Se for para praia, ou regiões com lagos, pergunte sobre o tratamento e profilaxia do verme do coração. É um tratamento fácil, que previne muitos problemas futuros”, finalizou Ivo Canal.
Fotos: 1) Mike Adas; 2) Marco Antonio

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A humanidade já está condenada?

Missa na cidade de Newtown, onde ocorreu o massacre
O mundo assiste chocado a mais um massacre nos Estados Unidos. Desta vez, as vítimas foram crianças com idades menores do que dez anos! Não há uma explicação para tal ato de barbárie.
            O ser humano, o autointitulado suprassumo da criação, conseguiu de novo! Não bastasse matarem-se uns aos outros em guerras, brigas, conflitos, jogos de futebol, agora o homem mata seus próprios filhos. E uma espécie que, de maneira metódica e sistemática, assassina seus descendentes, é uma espécie condenada à extinção. Nem é preciso um cataclisma, como o choque de um meteoro gigante com a Terra, para que isso aconteça. O homem se encarregará disso, em um processo lento, doloroso e eficaz.
            Se você está entre os que acreditam que o mundo acabará em 2012, olhe a sua volta! Há muito o planeta vem se deteriorando, esgotando sua capacidade de repor os recursos que, de forma irresponsável e predatória, a humanidade vem extraindo de suas entranhas. Uma dia, a natureza cobrará a conta!
            E falando em predadores, o homem é o único animal que caça e mata seu semelhante, seja por prazer, por vingança, algum tipo de compulsão ou por dinheiro (este último, o motivo mais comum). Os cientistas sabem que o leão, por exemplo, mata os filhotes machos de outro leão, quando assume o lugar deste na hierarquia do bando. Mas isto só ocorre por o novo líder quer assegurar que as leoas entrem no cio para que ele possa gerar a sua própria descendência; com a morte dos filhotes do antigo líder, isso acontece mais rapidamente. Mas o leão age por instinto; não há prazer ou fúria descontrolada em suas ações, tanto que algumas leoas conseguem salvar os seus leõezinhos levando-os para longe do bando. Um assassino em série, por outro lado, persegue e mata um determinado tipo de “alvo”. Ele não consegue parar até ser detido ou morto.
Memorial em homenagem as vítimas
            Mas o que leva um rapaz, aparentemente normal, a pegar três armas, matar a mãe, invadir uma escola primária e matar crianças? E por que ações deste tipo estão cada vez mais frequentes nos Estados Unidos? Seria a sociedade americana vítima de seus próprios integrantes, pressionados por uma cultura extremamente competitiva e belicista? Que cultua a guerra e heróis como Rambo?
            Mega potencia mundial, os Estados Unidos estão cada vez mais ameaçados em sua liderança, principalmente pela China. Não resta dúvida de um dia os americamos sairão do primeiro lugar do cenário mundial. Isto ocorre com todo império. E assim como todo império, o gasto militar dos americanos é enorme, já que um dos pilares de sua sustentação é exatamente seu poderio bélico, que inclui investimentos em tecnologia e armas de última geração, e tropas super treinadas, verdadeiros soldados de elite.
            Muito há de se debater sobre a questão da facilidade que o povo americano tem em adquirir armas, amparados por um direito garantido em sua constituição. Mas esse direito está atrelado à uma época diferente, quando a nação estava se estruturando e ainda não havia o aparato policial que o país possui hoje. Pode parecer incrível, mas os EUA já foram uma nação pobre, seus habitantes se organizaram em milícias para combater o exército britânico, que depois se estruturaram para fazer o papel de polícia. Citizen On Patrol (COP), ou cidadãos em patrulha, assim eram conhecidos os homens que faziam esse serviço. O tempo passou mas o nome ficou e hoje, COP é sinônimo de polícia nos Estados Unidos. Alguém já viu a Série Cops?
            Mas o mais importante nesse momento, além de prantear as vítimas deste horrível episódio, talvez seja os americanos repensarem seus valores, seu american way of life. Talvez seja o momento de mais diálogo, mais tolerância e menos paranoia, menos pressão para ser sempre o melhor.
            Alíás, o mesmo vale para todos nós, pois todos vivemos sob algum tipo de pressão hoje em dia. E se o Brasil ainda não registrou casos como o tiroteio de Newtown, tendo crianças como vítimas, já houve pelo menos um episódio de tiroteio em escola, atingindo adolescentes, no Rio de Janeiro. Aqui, o que ocorre é a guerra não declarada entre o Estado e uma fação criminosa que domina os presídios paulistas. De qualquer modo, sempre há vítimas inocentes! Se começarmos a matar crianças, então estamos realmente condenados.
 
Texto: Marco Antonio
Fotos: 1) AFP; 2) Mike Segar/Reuters

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Motos que andam mais do que notícia ruim

Suzuki Hayabusa: a moto de série mais rápida
Para quem gosta de moto e velocidade (e muita gente gosta!) existem algumas motocicletas que estão no topo da cadeia alimentar, pois comem asfalto como poucos. São verdadeiras predadoras de estradas. Quando se trata de performance, elas estão no topo.
            Se você vir uma no espelho retrovisor do seu carro, saia da frente. Ela vai passar com tudo. E você vai ficar babando no volante. Claro que um brinquedinho destes é para poucos. E não basta ter uma gorda conta bancária, o piloto também tem que ter habilidade, experiência. Mas não abuse! Até a estrada tem de ser muito boa para rodar a mais de 280 km/h, ou mais de 300 km/h, conforme o modelo. E não custa nada lembrar: pilote sempre com equipamento adequado. Afinal, um tombo nessa velocidade não será nada agradável, para dizer o mínimo!!!
            Mas agora você vai conhecer os modelos escolhidos pelos apaixonados como as motos mais velozes (e muito belas) do mundo. Então, como dizem os pilotos: “vamos abrir o gás e deitar o cabelo”.
            Vamos começar com uma lenda sobre duas rodas; a motocicleta normal (como se passar dos 300 km/h fosse normal) produzida em série mais rápida do mundo: Suzuki Hayabusa. Batizada com o nome de uma ave de rapina (Hayabusa é o nome em japonês do Falcão Peregrino). A fábrica não revela a velocidade final do modelo, mas em testes ela já fez 320 km/h. Um foguete com motor de 1.300 cc, mas muito fácil de conduzir, segundo alguns pilotos felizardos que já a tiveram nas mãos.
            Logo atrás da Hayabusa, na disputa pelo primeiro lugar, está a italiana MV Agusta F4 R312, com velocidade final de 312 km/h (daí o nome R312), obtidos em teste realizado no estado americano de Utah, com melhor passagem de 314 km/h. A Agusta possui ainda outros dois modelos entre as 10 motos mais rápidas do mundo: a F4 Tamburini, que está logo atrás da R312, com velocidade final de 307 km/h. O nome é uma homenagem a Massimo Tamburini, designer que a projetou. Um pouco mais atrás, na quinta colocação, está a F4 1000S, cujo motor é turbinado e derivado da Ferrari, o que faz com que esta macchina chegue a 300 km/h.
MV Agusta F4 R312
            Assim como na Formula-1, tem um alemão no meio para atrapalhar a festa italiana. A BMW S 1000RR ocupa a quarta posição no ranking, com velocidade final de 305 km/h.
            Na sexta posição, está outro nome lendário entre os amantes de motos: Kawasaki Ninja ZX-14. Com design um pouco menos agressivo do que as italianas, ela faz de 0 a 100 km/h em 2,5 segundo e tem velocidade final em torno de 299 km/h.
Ducatti 1098S
            Chegando na sétima colocação, a Yamaha R1, com velocidade de 297 km/h. Nada mal para um modelo que já tem quase treze anos de mercado. Conhecida dos brasileiros, a Honda Fireblade (CBR 1000RR), com sua velocidade final de 291 km/h, está em oitavo na lista. Outra velha conhecida nossa, a Suzuki GSX-R 1000, com seus 285 km/h de velocidade final, está em nono lugar. A lista fecha com a Ducatti 1098S, que chega a módicos 275 km/h. Uma verdadeira lesma, se comparada com as outras. Mas ainda assim, lindíssima e deixa muita moto comendo poeira.
 
Fora de série
            Neste olimpo de supermotos, algumas listas incluem a MTT Turbine Superbike Y2K com a moto mais rápida do mundo. Provida de uma turbina de helicóptero, ela pode chegar a 370 km/h. Com duas versões, uma de 324 e outra de 425 cavalos de potência (mais do que muito carro), esta superbike possui uma turbina da Rolls Royce que gira a 52 mil rpm e gera um torque de 58 mkgf logo a 2000 rpm. Ou seja, muita força desde cedo. Fabricada nos EUA, a moto é exclusivíssima (apenas cinco unidades ao ano) e, certamente, está longe de ser uma moto comum, produzida em série.
            Mais perto de nós, pobres mortais, está a Kawasaki Ninja ZX-10, um modelo já meio passado, mas que com seus 288 km/h de final possui seus admiradores, que costumam coloca-la na lista, à frente da Suzuki GSX-R 1000.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

ACS: quase 20 anos fazendo crianças e adultos sorrirem

Crianças brincam da festa de natal da ACS 2012
A Associação Criança Sorriso é uma ONG – Organização Não Governamental – que tem por objetivo desenvolver projetos e ações, com a ajuda de parceiros, focados na melhoria da qualidade de vida de crianças oriundas de famílias de baixa renda. O trabalho inclui, além de noções de cidadania, cuidados com a saúde das crianças e dos jovens.
Em quase duas décadas de existência, a associação (fundada em 1993) começou distribuindo brinquedos para 500 crianças e hoje já contabiliza cerca de 25 mil atendimentos, incluindo as crianças e seus pais, durante e realização da Campanha do Brinquedo, segundo a dentista Fátima Sueli Cardoso Paulino, que atua como voluntária junto à associação desde o começo. “Começamos este trabalho com 500 crianças e hoje atendemos mais de 20 mil, na faixa etária entre um e 12 anos”, comentou a dentista, acrescentando que o projeto surgiu da “vontade de trabalhar com crianças”. O Criança Feliz é o evento promovido anualmente pela ACS e seus parceiros, que tem por objetivo levar presentes, recreação e noções de saúde, cidadania e conhecimento aos jovens. O evento acontece na época de natal e ocorre em 18 pontos da cidade. Segundo o site da associação (WWW.projetoacs.org) a festa envolve ainda 1,5 mil voluntários. Este ano, a distribuição dos presentes aconteceu no último dia 2 deste mês, para cerca de 15 mil crianças. No total, 22 mil pessoas participaram do evento, considerado a maior festa de Natal do Brasil, segundo os organizadores. “Foram distribuídos 22 mil cachorros quente, 15 mil saquinhos de pipoca doce, 45 mil saquinhos de pipoca salgada, 22 mil copos de refrigerantes e  45 mil brindes, além dos brinquedos”, contou Fátima ao Marconews.
Festa de Natal tem que ter Papai Noel; no canto, à direita, a
dentista Fátima Paulino, ao centro, seu esposo Mário Genaro
A sensação de paz e de amor por fazer crianças sorrirem é indescritível. São 19 anos fazendo este trabalho. Não consigo segurar as lagrimas quando falo sobre este trabalho. É muito gratificante e abençoado”, afirma a dentista, ressaltando que, “só conseguimos com a participação de voluntários e das doações de empresas e amigos. Ontem realizamos o último evento da ACS deste ano. Foi o projeto aluno nota 10 e aluno superação. Foi também muito gratificante”. O projeto está em sua quarta edição e é uma parceria com a 3M do Brasil.

Crescimento
Visita a 3M, em Itapetininga
            Crescendo ano a ano, a ACS prepara mais uma novidade que deve mexer com a garotada e os pais. “Estamos lançando o Projeto Circo-Escola, que nasceu de um sonho da professora Mônica, diretora da escola Alceu Gomes da Silva, e da professora Suzana”, conta Fátima Paulino, acrescentando que este sonho “foi contagiando todos da ACS e estamos prestes a realiza-lo”.
            Segundo a dentista, “o projeto busca canalizar esforços na direção de ações visando resgatar o vínculo familiar e reduzir a violência, através do domínio do corpo e das emoções, desenvolver a autoestima e a valorização do ser humano, promovendo o exercício da cidadania. Em razão de o circo traduzir uma manifestação cultural bastante representativa, junto à população em geral, e ser detentor de um poder de fascínio sobre crianças e adolescentes,  o mesmo desperta o interesse da população infanto-juvenil e seus familiares, contribuindo para o resgate de vínculos familiares e comunitários”.
“Este projeto tem como objetivo contribuir com o desenvolvimento de crianças e adolescentes, disponibilizando espaços capazes de abrigar atividades educativas e artísticas de resgate, preservação, divulgação e valorização das diversas manifestações culturais relacionadas à atividade circense, além de ações socioeducativas e familiar. Estimular uma criança a sonhar é acreditar que sonhando ela construa o futuro e o circo faz isso. A eterna magia da arte circense esta na superação de ser melhor a cada dia”, finalizou Fátima Paulino.
 
Texto: Marco Antonio
Fotos: Divulgação/ACS

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Operação do Gaeco prende 10 pessoas em Itapetininga

Geraldo Macedo usa a tribuna da Câmara
na época em que era vereador
Ao menos 10 pessoas foram presas em Itapetininga nesta terça-feira, durante operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e o Grupo Antissequestro de Sorocaba. Batizada de Operação Atenas, a ação também apreendeu mais de R$ 1,5 milhão em notas de Real, Dólar e Euro - dinheiro que estava distribuído entre uma mala e um cofre na casa do homem apontado como líder da quadrilha. Ao todo, o Gaeco e o GAS estavam com 11 mandados de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão. A informação é do G1, portal de notícias da Globo. Os nomes dos detidos não foram divulgados.
            A operação investiga uma organização que usava ONGs (Organizações Não Governamentais) como fachada para desviar recursos da área de Saúde, atuando em diversos municípios do Estado, incluindo a Capital. Computadores e documentos foram apreendidos na Prefeitura e no Hospital Regional de Itapetininga. As investigações tiveram início após denúncia feita pelo vice-prefeito e ex-secretário de Saúde de Itapetininga, Geraldo Miguel de Macedo (foto).
            De acordo com o G1, a investigação conduzida pelo Mistério Público aponta que a quadrilha se valia de lobistas, financiamento de campanhas de agentes políticos e pagamento de propina a servidores para direcionar contratos públicos fraudulentos às organizações, que atuavam sob os nomes de Sistema de Assistência Social e Saúde (SAS) e Instituto SAS. Embora fossem instituições distintas, elas seriam lideradas pelo mesmo homem, segundo o MP.
            Posteriormente, os recursos eram desviados em benefício do grupo mediante pagamento de notas fiscais "frias" ou superfaturadas, emitidas por empresas, na maioria das vezes, registradas em nome dos integrantes do grupo ou de seus parentes.
 
Denúncia
            As investigações começaram depois que o vice-prefeito e então Secretário de Saúde, Geraldo Miguel de Macedo, declarou a existência de inúmeras irregularidades na execução do Termo de Parceria celebrado entre o Sistema de Assistência Social e Saúde (SAS) e a prefeitura para a administração do Hospital Regional de Itapetininga.
            As denúncias de Macedo foram feitas no final de agosto de 2011, na Câmara local. Na oportunidade, diante de um plenário lotado, o vice-prefeito atacou duramente a administração Ramalho, denunciando o então suposto desvio de dinheiro da saúde e até a realização de pagamentos sem o devido empenho, o que teria gerado uma dívida de mais de R$ 400 mil. Na época em que respondia pela área de Saúde do município, Macedo afirmou ter sido contrário à renovação do contrato entre a Prefeitura e o SAS.
            Ao defender-se dos ataques do ex-secretário, o prefeito Roberto Ramalho, afirmou que as denúncias tinham fundo político e que as irregularidades denunciadas por Macedo tinham sido levantadas pela equipe da própria prefeitura.
            “Todo processo que assinamos passa por avaliação do secretário e quando chega ao prefeito é para as providências para  a renovação”, afirmou Ramalho na ocasião. Segundo ele, a época de renovação do contrato, a dívida da administração municipal com o SAS era de R$ 4 milhões. O prefeito informou ainda que o contrato se encerraria em setembro deste ano.
 
Apuração
A apuração das denúncias revelou que, embora constituídos na forma de Organizações Não Governamentais independentes uma da outra, o Instituto SAS e o Sistema de Assistência Social e Saúde (SAS) se confundem em uma única organização criminosa, administrada e comandada pelo mesmo líder. Além do contrato com a Prefeitura Municipal de Itapetininga, o SAS mantinha Termos de Parceria ou Contratos de Gestão com os Municípios de São Miguel Arcanjo, São Paulo, Americana, Araçariguama e Vargem Grande Paulista - todos no Estado de São Paulo -, além dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Araranguá (SC). Nesta primeira fase, a investigação teve como foco principal os líderes da quadrilha e as fraudes relativas ao Termo de Parceria referente apenas ao Hospital Regional de Itapetininga. A investigação apontou indícios do envolvimento de pelo menos um prefeito municipal como beneficiário da propina paga pela quadrilha.
São investigadas também as empresas Planos Administração Hospitalar Ltda, Carone Administração e Participações, Contacto Intermediação de Negócios Ltda, Mille Med Serviços Médicos, Indaiamed Serviços Médicos, M.K Prestação de Serviços em Saúde, Gestão Administração e Serviços, Rosemeire de Almeida Bisbocci, Maria Vitória de Moraes Terra, Odair José da Silva, Invest Serv Serviços Administrativos e de Manutenção, DHS Serviços em saúde e educação, Globalvita Saúde e Paulista Pronto Med.
 
Prefeitura
A Prefeitura itapetiningana afirmou por meio de nota oficial que está tomando providências para dar continuidade ao atendimento no Hospital Regional. Na nota divulgada, a administração afirmou que "até o momento não há nenhuma citação de envolvimento ilícito de agentes públicos municipais". Ainda segundo a prefeitura, toda documentação sobre o caso já havia sido encaminhada ao Ministério Público local e à Câmara de Vereadores "a partir de procedimento administrativo instaurado muito antes das denúncias".

sábado, 8 de dezembro de 2012

O que esperar das novas administrações municipais

O que os municípios esperam dos novos prefeitos?
Crescer, desenvolver-se e manter a qualidade de vida. Este é o sonho do ser humano. Mas também é o sonho de muitos municípios. Como alcançar este objetivo? A resposta é com planejamento e estratégia.
            Do começo da Revolução Industrial até a primeira metade do século passado, a palavra de ordem era crescimento e desenvolvimento a todo custo, com o homem usando e abusando dos recursos naturais.
            Porém, a medida que o avanço tecnológico degradou os recursos naturais e pôs em xeque a própria capacidade do planeta em repor estes recursos, o desenvolvimento por si só não basta mais. Agora, é preciso harmonizar desenvolvimento econômico com qualidade de vida, geração de renda com sustentabilidade e respeito ao Meio Ambiente, além da própria vocação do município. Dentro desta nova visão, o conceito de Economia Criativa vem ganhando espaço. Este tema foi, inclusive, abordado em recente evento realizado em Itapetininga.
Estabelecer estratégias
            Como primeiro passo, o município precisa estabelecer um planejamento e uma estratégia. Um diagnóstico socioeconômico da cidade deve ser levado a efeito pelos novos prefeitos, que assim poderão ter um retrato de suas cidades. Qual a vocação do município? Qual setor econômico é forte? A mão de obra local é capacitada? Existe artesanato no município que possa gerar emprego e renda? Poderia ser criada uma cadeia produtiva integrada, abrangendo desde o produtor até o consumidor ou cliente final?
            Estas são apenas algumas perguntas que a futura administração precisa responder. De modo geral, os municípios do Sudoeste Paulista são conhecidos por sua vocação agrícola ou para o setor de serviços. O setor industrial ainda não tem o peso que muitos prefeitos gostariam. Algumas cidades apostam em suas belezas naturais e aspectos culturais para estimular o turismo. Mas, também aqui neste item, questionamentos precisam ser feitos: A cidade tem infraestrutura para receber os turistas? Há hotéis, pousadas ou similares em quantidade para receber este público? Há uma rede de restaurantes e outros serviços, como, por exemplo, um bom hospital? A população está preparada para receber bem o turista?
            E como saber se esta é a vocação do município? Enfim, o primeiro passo é mesmo responder estas questões, para depois estabelecer uma estratégia. Definitivamente, não se pode mais trazer toda e qualquer empresa ao município, sem antes termos a absoluta certeza de que é a empresa certa, que trará um impacto socioeconômico positivo para o município. Caso contrário, a cidade atrairá migrantes em excesso, que não serão absorvidos pelo mercado de trabalho, criando um grave problema social.
            Em tempos em que a palavra de ordem é sustentabilidade, a sociedade está mais vigilante, exigente e a cobrança será grande em cima dos novos líderes. Uma situação que se repete em nível estadual, federal e até internacional. Afinal, não é sem motivo que os olhos do mundo acompanharam atentamente a recente disputa eleitoral norte-americana. Como presidente da maior potencial mundial (embora a China venha ameaçando tomar este posto) Barack Obama tem uma enorme responsabilidade, tanto com seus eleitores quanto com o resto do mundo.
            Caso a economia americana consiga se reerguer mesmo, o planeta poderá superar a crise econômica e ganhar novo folego. Porém, se os EUA afundarem em meio a crise, boa parte da economia mundial irá junto, principalmente entre os países europeus. Resta agora esperar que os nossos governantes, em todos os níveis, consigam levar a humanidade um passo a frente, com harmonia, paz, e justiça econômica e social.
 
Foto: Mike Adas

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Centro é referência no atendimento ao deficiente visual

Mães participam de oficina no Ceprevi
Fundado há quase uma década, o Centro de Pesquisa e Reabilitação Visual de Itapetininga – Ceprevi – é hoje referência em sua área de atuação, atendendo não apenas pacientes de Itapetininga, mas também de municípios da Região, com os quais mantém parceria: São Miguel Arcanjo, Guareí e Alambari. O centro também está viabilizando convênios e parcerias com as cidades de Angatuba, Capão Bonito, Paranapanema e Tatuí. Até o momento, 140 pessoas já passaram pelo Ceprevi, para uma avaliação funcional de visão. Desse total, 67 foram consideradas aptas para participar dos programas desenvolvidos pela instituição.
“Atendemos todas as faixas etárias e ressaltamos a importância do trabalho realizado com os bebês na intervenção/estimulação precoce. A estimulação precoce pode contribuir para o desenvolvimento motor e cognitivo da criança cega congênita ou ainda estimular e melhorar o residuo visual da criança com baixa visão, sendo assim de extrema importância", afirma Sidnei Mattos, coordenador e educador do Ceprevi, especialista em reabilitação visual.
 
"Trabalhamos  diversos aspectos com os adultos, como a busca de oportunidades para os mesmos adentrarem o mercado de trabalho", acrescentou Mattos, ressaltando que o centro atende também idosos "no sentido de dar significado ao processo de senilidade, principalmente com os casos de perda visual nesta etapa da vida, o que pode acarretar déficits secundários, como psicológicos". "Uma das oficinas para este público é a música e a arte em argila", conta a terapeuta ocupacional Patrícia Henrique.
 
Atividades
 
A Instituição apresenta como atividades diárias: Intervenção Precoce, Alfabetização no Sistema Braille, Soroban, Orientação e Mobilidade, Informática Adaptada, Atividade de Vida Diária e Atividade de Vida Prática, Orientação e Acompanhamento Escolar, Arte - Educação, Inclusão no Mercado de Trabalho, Oficina de Mães, Grupo de Apoio Psicológico aos Familiares visando, inclusive, a geração de renda, Educação Física Adaptada, Atendimentos Individuais e Grupais com Psicólogo e Assistente Social aos deficientes bem como a seus familiares. O Ceprevi conta com a participação de diversos profissionais: Psicólogo, Assistente Social, Terapeuta Ocupacional, Pedagogos, Professor de Educação Física, Professor de Música,  Instrutor de Orientação e Mobilidade e Professor de Informática.
O centro conta também com o apoio de empresas. “Existem algumas empresas que nos apoiam em uma oficina denominada “Inclusão no mercado de trabalho”, na qual preparamos os deficientes visuais para tal universo. Senac Itapetininga, Chemtech São Paulo e Moura Baterias Itapetininga são alguns exemplos. Outras nos apoiam como colaboradores, proporcionando festas em datas comemorativas para as crianças e/ou com a doação de brindes para eventos e ações entre amigos”, disse Sidnei Matos. Ainda segundo o coordenador, “algumas empresas fornecem suporte técnico à oficina de inclusão ao trabalho e outras nos auxiliam de formas variadas, inclusive em eventos”

Ações
            Entre as ações e eventos realizados em prol do Ceprevi está um Chá Beneficente realizado em dois de dezembro do ano passado, com o apoio do Rotary Club, que cedeu o salão para o evento.
            Com o objetivo de divulgar o trabalho do centro, o chá contou com a participação de mais de 100 pessoas e “teve como forma de entretenimento o 1° desfile patrocinado pela ITA Calçados e Confecções com a participação das crianças com deficiência visual e sem deficiência visual –como forma a promover a inclusão; tivemos ainda, sorteio de brindes e música ao vivo”, afirmou o coordenador, acrescentando que, “a partir desta idéia e do sucesso que obtivemos no desenvolvimento emocional e social das crianças que participaram do desfile, passamos a projetar e a elaborar o Jantar que ocorreu neste ano”
            O Ceprevi conta com o apoio das seguintes empresas: Ita calçados e Confecções, Specialle Buffet, Recanto Caipira refeições, R R Eventos, Rosana Decorações, Moura, DJ MAXX, Lance Produções, Auto Posto Aurora, Hering Store, Bistecão, Corpus Alimentação Esportiva, Chemtech, Oticas 3ª Visão, óticas Diniz, Simplesmente Divina, a revista da mulher, Lillu, Colégio Objetivo, Karamello, Corte e Stilu, NADI, Novo Agito, Photolab, Victória Hair Company, Morango, Clamarroca, Mercadinho do Bebê, Plic Ploc, Bom bocado, Be teen, Vibe, Neusa Guarnieri Lingerir, Boutique Karina.

Recursos
            Mantido quase que exclusivamente com recursos da Prefeitura de Itapetininga, através de convênio com a Secretaria de Promoção Social, o Ceprevi também conta com o apoio da sociedade, através de doações. Realização de eventos e o auxílio de voluntários.
Apesar das dificuldades, o centro tem planos de expansão. “Nossa idéia é conseguir, através da seriedade no nosso trabalho, novos parceiros, para que possamos construir nossa sede própria, contratar novos profissionais e aumentar ainda mais a qualidade do serviço oferecido”, afirma Sidnei Matos. O Ceprevi completa 10 anos no dia dois de abril de 2013.
Veja esta e outras matérias
na edição de Dezembro da Revista Simplesmente Divina

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Lactobacilos combatem doença periodontal

Consumir lactobacilos combate problemas bucais
Uma indústria farmacêutica sueca desenvolveu uma pastilha com lactobacillus reuteri Prodentis, que atua na microflora bucal, reduzindo a ação das bactérias que causam cáries e doenças da gengiva.
Os estudos clínicos publicados no Acta Odontologica Scandinavica contataram uma redução de 85% no sangramento gengival em duas semanas, além de uma melhora significativa em infecções, no hálito e no controle da placa.
Esses bacilos, contudo, não são encontrados apenas em pílulas, mas também em alimentos funcionais, disponíveis no mercado, que ajudam a fortalecer toda a flora do corpo. Pesquisas apontam que a ingestão de iogurte e leites fermentados auxilia no combate de problemas bucais. Pessoas com o hábito de consumir diariamente de 20 a 50g de iogurte natural sem adição de açúcar são menos propensas à doença periodontal. Além deste benefício, esses alimentos reforçam o sistema imunológico, equilibram a flora intestinal e o controle do colesterol e os triglicerídeos.
Outros alimentos que também podem contribuir para a saúde bucal são os derivados de leite, como o queijo, que quando consumido ao final da refeição aumenta o fluxo de saliva, ajudando a neutralizar a acidez do meio bucal. Além disso, esses alimentos contem cálcio e fósforo, que são essenciais para o desenvolvimento e manutenção da saúde da boca.
 
Fonte: portal APCD