terça-feira, 28 de abril de 2015

Chocolate “milagroso” une sabor e saúde na mesma mordida

Produto retarda envelhecimento e melhora a disposição
 
 
            Que tal um chocolate que, além de todo o sabor, trouxesse benefícios à saúde das pessoas, reparando danos na pele, por exemplo, e com isso retardando o envelhecimento, além de melhorar a acuidade visual, a disposição física e (o melhor de tudo) não engordar?
            Quem acha isso um sonho quase impossível já pode acordar. Está chegando ao mercado um chocolate com 54% d cacau e mais um poderoso antioxidante, chamado Astaxantina (foto).
            Encontrada em abundância na natureza, essa substância é responsável pela coloração de peixes como salmão e truta e aves, como o flamingo. Da família dos carotenoides, a Astaxantina é até 500 vezes mais poderosa do que outros elementos da mesma família em sua ação antioxidante e possui qualidades que atuam no aumento da imunidade, na proteção do coração e no combate ao câncer. Desenvolvido por uma empresa sediada em Cambridge, Inglaterra, o “chocolate milagroso”, como é chamado pelos britânicos, chega ao Brasil sob a forma de barrinhas de 7,5 gramas e bombons (5g).
            Para entender um pouco mais sobre o funcionamento  dos antioxidantes o Marconews conversou com a nutricionista itapetiningana Gláucia Riedel Medeiros (CRN3- 4108).
            O antioxiodante age no nosso organismo como um "salvador" do envelhecimento, ou seja, ele destrói os radicais livres”, explica Gláucia, observando que “na alimentação, podemos ingerir os alimentos antioxidantes em forma de vit C, E, Magnésio, Manganês, Cromo, Selênio, Licopeno,, Resveratro e Astaxantina”.
            A nutricionista revela que, depois de reportagem no programa Fantástico sobre o cacau + Astaxantina, “a procura sobre informações deste complexo suplemento nutricional aumentou; as pessoas querem saber sobre suas qualidades. Ele ainda esta sendo estudado, mas podemos encontrar no salmão e em micro algas”.
 
Qualidade de vida
 
“Sou nutricionista e proprietária de Restaurante há 20 anos e nesta ultima decada com certeza a busca de alimentos funcionais aumentou . Cientificamente é comprovado que a mudança nos hábitos alimentares e nos padrões dos niveis de atividade física pode influenciar fortemente vários fatores de risco na população, como obesidade, hipertensão, hipercolesterolemia, diabetes. Por isso no cardápio do Restaurante não pode faltar arroz integral, tapioca, grãos, pratos vegetarianos, sobremesas com frutas, sementes, cacau e diet”, afirma Glaucia.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Artesã cria canal voltado para divulgar a cultura do interior

Proposta é mostrar os vários segmentos da cultura do interior paulista
 

            Aos 45 anos, a artesã, mosaicista e apresentadora de TV Aandréia Gomes (foto) inicia uma nova fase em sua vida profissional, lançando um canal no Youtube voltado para divulgar a arte e a cultura do interior do Estado. Em sua página em uma rede social, a artista afirma que seu projeto “tem como missão mostrar todas as riquezas de nosso interior, seja na arte, culinária, musica, dança, cultura, literatura e todos estão convidados a participar”. Andréia esclarece que está aberta a sugestões de pessoas interessadas em divulgar e preservar a cultura.
            Depois de mais de 10 anos me apresentando em vários programas de TV, e em seguida tendo meu próprio programa por 2 anos e meio, o Tvi Mulher, vi que existia a possibilidade de criarmos este canal para divulgarmos o que temos de melhor. Nosso projeto visa a divulgação dos grandes talentos que possuímos em nossa cidade e em toda a região, bem como realizar, através de meus contatos, um intercâmbio de artistas de São Paulo que possam agregar, com suas experiências, a nossa arte. Contudo, o Arte do Interior não será apenas um canal voltado ao artesanato e a arte, queremos ir muito adiante, mostrando nossa culinária com pratos típicos, receitas simples, vamos mostrar nossa cultura, serviços e produtos. Teremos dicas de moda, beleza, cabelos, estética, saúde, turismo e muito mais”, conta Andréia, relatando sobre como surgiu a ideia de montar um canal nessa linha.
 
Divulgando talentos
            Outra meta de Andréia é divulgar os talentos e profissionais que atuam em Itapetininga e toda a Região. “Muitas vezes vemos as pessoas indo buscar produtos e serviços fora daqui, sendo que temos ótimos profissionais em nossa cidade e região e, queremos mostrar isso para que fortaleçamos a economia, inclusive. Em parceria com João Mollo, meu amigo desde a infância, profissional já bastante experiente nas áreas de rádio e televisão desde o início da década de 80, resolvi colocar mãos à obra e iniciar este projeto. Com nossas experiências aliadas criamos o Canal ARTE DO INTERIOR no YouTube e todos poderão acompanhar nosso trabalho se inscrevendo e curtindo nossa Fan Page no Facebook Arte do Interior com Andréia Gomes. E já deixo aqui o convite para que participem conosco. Afinal no Arte do Interior o Artista é Você!”, afirma a artista e apresentadora.
 
Riqueza cultural
            Nossa cultura é riquíssima e vivemos em um tempo de resgate de valores e cultura de raiz. Artistas já consagrados e de expressão têm saído dos grandes centros e procurado o interior para fixar seus ateliês. Nossa culinária é rica e sempre fez muito sucesso entre meus amigos, em todos os lugares por onde passei”, afirma a apresentadora, falando sobre a cultura do interior, chamada também de Cultura Caipira.
            Andréia Gomes conta um fato que ilustra a importância de se preservar e divulgar a cultural regional. “O artista plástico Rico Ribeiro, ao se apresentar comigo no programa, teve seu trabalho reconhecido em Brasília. Sua aluna, até então virtual, veio até nossa cidade para fazer aula presencial com ele; e, para isso, necessitou de hospedagem, alimentação e muitas outras coisas – conheceu e utilizou nossos serviços. Este é um de nossos objetivos. Amo nossa cidade e recebo com muito orgulho meus convidados, que se encantam com a calmaria, culinária e hospitalidade, além de muitas outras riquezas que temos em nossa região. Vivemos em um tempo onde o rústico, a reciclagem, a arte ensinada por nossas avós, os brinquedos educativos, a comida feita em fogão a lenha, nos faz reviver uma época tão especial. E isso tem um valor muito grande nos grandes centros”.
 
Veja Matéria completa na revista Divina
Foto: Facebook/Divulgação

domingo, 26 de abril de 2015

Pizza quadrada resgata o prazer de comer

Massa feita artesanalmente e ingredientes de qualidade fazem a diferença
 
 
            Mais do que matar a fome, o ato de comer deve ser uma atividade social, uma ocasião para se degustar um prato “e viajar no sabor”, afirma Danillo Valezi, proprietário da pizzaria artesanal La Quadrata. Um empreendimento que segue à risca a filosofia de oferecer pizzas com sabores diferenciados (são mais de 40 variedades no cardápio) e atendimento de qualidade.
            Como o nome sugere a La Quadrata já surpreende os clientes pelo formato: a pizza é quadrada. O formato garante que ela seja até 25% maior do que uma pizza tradicional (redonda) grande, além de possibilitar a combinação de quatro sabores na mesma pizza. “E o cliente paga proporcional, mesmo que peça pizzas com valores diferentes. A nossa proposta é que ele sinta prazer em vir aqui, saboreie nossos produtos e fique imaginando qual o segredo do sabor único, sem se preocupar se vai pagar pela pizza mais cara”, afirma Danillo.
Entre os segredos dos sabores diferentes que as pizzas da La Quadrata oferecem, está a massa. Preparada artesanalmente pelo próprio Danillo, ela é elaborada segundo uma receita que está na família dele há mais de 100 anos e foi trazida da Itália.
“Conseguimos achar essa receita gourmet, e eu chamo gourmet por ser diferenciada, de sabor forte e único, após procurar muito em nossa própria família”, conta o empresário, que iniciou o empreendimento junto com o irmão, Luiz Fernando, em 2012. O irmão arrumou emprego em outra cidade e optou por sair da empresa, agora comandada só por Danillo.
 
Sofisticação
Formato e sabor diferenciados
            Embora não revele todo o segredo de sua receita, Danillo Valezi conta que alguns ingredientes originais foram substituídos por outros, o que garante um sabor mais sofisticado e até benefícios à saúde do cliente.
            “Em uma receita de massa tradicional, entram óleo e açúcar, por exemplo, na nossa, o óleo foi trocado por azeite, que é muito melhor, e o açúcar por mel, que no nosso caso não é bem mel, mas um composto que não é de origem animal, pois temos clientes veganos, que não consomem nada que venha de animal”, conta Danillo. Por esta razão, em sua pizza vegetariana, ele usa queijo de mandioca. “Eu quero atender todo mundo, sem fechar portas para ninguém”, observa.
            Outro detalhe de sua massa gourmet é que a água é substituída por cerveja. “O fogo evapora o álcool, deixando o malte, o lúpus e a cevada, isso enriquece a massa e contribui para o sabor diferenciado, assim como o forno a lenha, que frita a massa por baixo e assa por cima, além disso, usamos só um padrão de lenha (eucalipto), o que também influencia no sabor, deixando mais encorpado. Por isto muitos consumidores preferem forno a lenha”, explica o empresário. Confiante na qualidade de seu produto, Danillo afirma que desafia os clientes: “Eu sempre falo para os clientes: se você não gostar, não paga a pizza. Até hoje ninguém deixou de pagar por não gostar. E a nossa proposta é essa: que a pessoa saboreie o produto. Não é só matar a fome, mas o prazer de comer; fazer o cliente imaginar como conseguimos esse sabor e essa massa, que é fina e crocante”.
 
Início difícil
            Mas o começo não foi nada fácil. Apesar de ser descendente de italianos, Valezi nunca tinha tido nenhuma experiência com pizzaria, embora desde criança tivesse um objetivo: tornar-se um empreendedor. A ideia de investir em gastronomia – e ainda mais em pizzas quadradas – surgiu em uma conversa com o irmão e o restante da família.
“No início, minhas pizzas era ovais”, conta Danillo, bem-humorado, “mas agora saem um quadrado perfeito”. Ele conta que é difícil fazer o quadrado, “pois a própria massa, quando você abre, é redonda”. Por conta da proposta diferenciada de sua pizzaria, o empresário revela que tem de treinar seus funcionários, mesmo pizzaiolos experientes. “Não basta ser pizzaiolo; tem de ser forneiro também e saber trabalhar com forno a lenha”.
Ele ressalta que a maioria das variedades de seu cardápio foi desenvolvida ali mesmo, na própria La Quadrata. “Recebemos algumas dicas também do Wellignton, um pizzaiolo que trabalhava na Europa e depois veio para Itapetininga, além de outros profissionais que passaram por aqui”, relata Danillo. Segundo ele, a pizza quadrada pode ser encontrada em alguns lugares de Roma, conforme lhe disse um cliente italiano.
De acordo com o empresário, seu carro chefe é a pizza cream cheese com alho poró, mas ele também oferece pizza de nachos (comida mexicana) e deixa o cliente decidir se põe pimenta ou não, pois os pratos mexicanos são bem apimentados.
“Todos os ingredientes são de primeira qualidade e preparados na hora”, conta Danillo, que faz feira-livre todo dia para garantir produtos frescos a seus clientes. O próprio molho, feito somente com tomates, é preparado na hora. “Não sobra nada! No dia seguinte preparamos o molho de novo, pois isso é fácil”.
 
Ambiente aconchegante
            Tendo como referência o pintor holandês Pieter Mondrian, famoso por suas obras simétricas, quadradas, a La Quadrata tem detalhes quadrados nos pratos, talheres, copos, lustres e em peças de gesso no teto. A entrada é um ambiente em aconchegante, onde os amigos podem se reunir para um happy hour, saboreando pizzas em porções e acompanhadas de um bom vinho ou uma cerveja artesanal. Um salão na parte de cima possui capacidade para receber 27 pessoas, que podem apreciar música ao vivo aos finais de semana. Aqui, a decoração é inspirada em histórias em quadrinhos. A pizzaria abre de terça a domingo, a partir das 19 horas.
            A La Quadrata possui Delivery (entrega) e atende a toda a cidade. A novidade aqui é que a caixa da pizza agora vai com o nome da pessoa que pediu. “É um atendimento personalizado que agrega valor e agrada ao cliente”, observa Danillo. Ele também desenvolve parceria com o site Gran Cardápio, através do qual os clientes podem baixar um aplicativo em seu celular ou smartphone, tendo acesso on line ao seu cardápio, incluindo fotos, informações e valores das pizzas. Com a opção Ligue Jà, a pessoa clica e liga diretamente para a pizzaria, encomendando seu pedido. A La Quadrata possui também uma página em uma rede social e através dela você pode conhecer o cardápio, bem como ficar por dentro de tudo o que acontece na pizzaria, como a programação de música ao vivo, por exemplo.
 
Novidades
            Para um futuro não muito distante, o empresário planeja, entre outras coisas, investir na divulgação de sua marca e seus produtos. Ele também planeja criar uma variedade de pizza light e saudável, que está sendo desenvolvida em parceria com uma nutricionista. Entre outras novidades, o cliente poderá saber quantas calorias está consumindo.
            Danillo também tem planos para se tornar uma franquia e revela que já houve interesse em abrir uma unidade em outra cidade. “Qquando você inicia uma coisa nova, o risco é maior. E Pizzarias que fazem pizzas quadradas são poucas. As pessoas têm certo receio do desconhecido, mas Itapetininga tem mercado para todos os gostos, até porque a cidade está crescendo e com muitos moradores novos”, afirma o empresário sobre o mercado local.
 
Saiba mais lendo matéria completa na revista Divina
Fotos: Divulgação

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Caminhada do Amor acontece neste sábado

Evento acontece em várias cidades do mundo
 
Evento é aberto a casais e solteiros de todas as idades
 
 
            Realizada pela Igreja Universal, a 1ª Caminhada do Amor acontece neste sábado, em várias cidades do mundo. Em Itapetininga, o evento será na Praça dos Três Poderes, no Jardim Marabá, a partir das 10 horas.
            Segundo a Universal, o evento será realizado, também pela primeira vez, na cidade japonesa de Hamamatsu, no parque Nakatajima Kouen, a partir das 14 horas (horário local), com a participação do pastor Diego Dias e sua esposa Tatiana.
 
O que é
De acordo com os organizadores, “a Caminhada do Amor é uma oportunidade que os casais têm para estreitar a sua relação e para os solteiros, a oportunidade de conhecer melhor a pessoa com a qual ela deseja ter um relacionamento. Todos podem participar da Caminhada do Amor independente da idade”.

Preço de remédio varia de R$ 38 a R$ 71 em Itapetininga

Pesquisar ainda é o melhor caminho
 
 
            Com o recente reajuste de preços dos medicamentos, autorizado pelo governo no começo deste mês, o consumidor já sente no bolso os efeitos do aumento. Além da elevação autorizada, a diferença de preços entre estabelecimentos pode chegar a  30% em alguns casos. Ou até mais, dependendo do desconto oferecido. A dica é pesquisar bastante.
            Na última quinta-feira, a aposentada Nely Leonel estava precisando comprar dois remédios: Naprix A 5,5 mg para pressão e Rosuvastatina cálcica, que ajuda no controle dos níveis de colesterol. Após ligar em quatro farmácias, ela constatou que o Naprix pode ser encontrado por preços que variam de R$ 38,69 a R$ 71.06. No caso do outro medicamento foi constatada também variação nos preços, que podem oscilar entre R$ 94 e mais de R$ 100, sem desconto.

            A aposentada optou por comprar em uma farmácia que oferecia os maiores descontos. O Naprix (foto) saiu por R$ 38 e a Rosuvastatina por R$ 53.29. “Sempre pesquiso muito antes de comprar. Sou aposentada e minha renda não é muita”, afirma dona Nely, acrescentando: “o que gasto com telefone (para pesquisar) não chega à metade do que economizo”. O estabelecimento escolhido fica no começo da rua Virgílio de Rezende e apresenta um intenso movimento ontem, com grandes filas de clientes.
 
Preços na internet
            Segundo o site www.medicamentos.med.br o preço do Naprix A 5,5mg, por exemplo, está entre R$ 45,36 até R$ 48,53, mas em Itapetininga está sendo comercializado a mais de R$ 70. No mesmo site, a Rosuvastatina pode ser encontrada por R$ 78,20.
 
Reajuste
            Desde o começo deste mês, o governo autorizou o reajuste de até 7,7% para mais de 9 mil medicamentos. Este índice é o valor máximo que o fabricantes podem subir os preços neste ano.
            O reajuste foi definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos e abrange três níveis de remédios, conforme o perfil da concorrência dos produtos.
O nível 1, que tem o maior percentual de reajuste, inclui remédios como omeprazol (gastrite e úlcera); amoxicilina (antibiótico para infecções urinárias e respiratórias). No nível 2, cujo percentual é de 6,35%, estão, por exemplo, lidocaína (anestésico local) e nistatina (antifúngico). No nível 3, que tem o menor índice de aumento, 5%, ficarão mais caros medicamentos como ritalina (tratamento do déficit de atenção e hiperatividade) e stelara (psoríase).
A autorização para reajuste leva em consideração três faixas de medicamento, com mais ou menos participações de genéricos. O reajuste segue a lógica de que nas categorias com mais genéricos a concorrência é maior e, portanto, o reajuste autorizado pode ser maior.
O ajuste de preços considera a inflação acumulada em 12 meses até fevereiro, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e que ficou em 7,7%. Em 2014, o reajuste máximo autorizado foi de 5,68%.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Saiba o que é o Canabidiol e para que serve


Composto é uma das 400 substâncias encontradas na maconha
 
 
Liberado pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o Canabidiol é um agente químico encontrado na planta Cannabis, popularmente conhecida como maconha. O Canabidiol (CBD) possui características que o tornam eficaz no combate aos sintomas de doenças como esquizofrenia e surtos psicóticos e por esta razão chamou a atenção dos pesquisadores.
O CBD inibe os efeitos do THC, elemento psicoativo da maconha, e apresenta excelentes resultados no combate às convulsões. Os medicamentos à base do CBD começarão a entrar no país regularmente e a expectativa é de que até o final do ano sejam comercializados nas farmácias, mediante prescrição médica. Com a liberação, empresas farmacêuticas se preparam para registrar remédios à base do composto.
 
O que é o Canabidiol
O termo se refere a uma das substâncias químicas encontradas na Cannabis Indica, constituindo grande parte da planta, cerca de 40% de seus extratos. Cannabis Indica e Cannabis Sativa são nomes utilizados para designar os extremos do espectro da cannabis, conhecida popularmente como maconha.
Dentro destes dois extremos existem ainda muitos outros padrões de crescimento, de qualidade e de efeitos, mostrando o potencial da maconha para conseguir se adaptar em praticamente qualquer situação ou local. A Cannabis Indica possui mais canabidiol e menos THC, componente psicoativo da maconha, por isto é mais indicada para a extração da substância.
Em diversos locais no mundo medicamentos à base de maconha já são prescritos e vendidos para o tratamento de uma série de doenças. A substância é uma espécie de pasta proveniente da maconha e é eficaz no tratamento de doenças raras e de convulsões. O termo “medicamento à base de maconha” levanta muitos preconceitos, sendo esta uma das questões ainda bastante discutidas no Brasil.
 
Para que serve
O uso terapêutico dos canabinoides, termo utilizado por alguns médicos com o intuito de evitar o polêmico termo “medicamento à base de maconha”, já vem sendo praticado há algum tempo em uma série de países, como os Estados Unidos e outros da Europa.
O Canabidiol tem se mostrado bastante eficiente no tratamento contra a ansiedade e fobias sociais, assim como no de epilepsias graves. A substância ainda pode ser usada com sucesso na reversão dos sintomas da doença de Parkinson e de Alzheimer, incluindo outras desordens neurodegenarativas, por exemplo. Outros efeitos positivos do canabidiol é aumentar o sono em pacientes que sofrem de insônia, aumentar a fome em pacientes com anemia e reduzir a dor em pacientes que sofrem de câncer e de doenças que afetam o Sistema Nervoso Central.
 
Como funciona
Ele atua como um ansiolítico, medicamento utilizado no tratamento de ansiedade. No entanto, ao contrário de outros fármacos usados para tanto, o canabidiol não produz efeitos colaterais como sonolência, zumbidos, tonturas e perda de memória, por exemplo. Além disto, ele não traz efeitos típicos do uso da maconha, como muitos pensam equivocadamente. O canabidiol não leva à taquicardia, falhas na coordenação motora, secura na boca ou perda de memória recente.
No tratamento de convulsões, por exemplo, ele atua controlando o fluxo de informações entre os neurônios, para que não haja sobrecargas e para que os mesmos não fiquem superativos, o que poderia levar a uma convulsão. O canabidiol inibe de diversas formas a hiperativação dos neurônios, frequentemente relacionada a áreas do cérebro ligadas à linguagem e à percepção sensorial.
O Canabidiol é também comprovadamente eficiente no combate a fobias sociais, pois facilita o processo de reaprendizado emocional quando a pessoa foi exposta a uma situação que lhe provou um distúrbio. Além disso, a substância é eficiente na redução e reversão dos sintomas relacionados ao mal de Parkinson, de Alzheimer e esquizofrenia.
 
Contraindicações
Em algumas linhagens de Canabidiol são encontradas porcentagens grandes de THC, que mesmo em baixas doses pode provocar alguns efeitos adversos, especialmente em crianças com menos de 15 anos, como a psicose. É preciso muito cuidado, portanto, na escolha do canabidiol utilizado. Ainda não há uma total uniformidade na composição e na consistência dos produtos, sendo que grande parte do canabidiol é adquirido de produtores ao redor do mundo, o que provoca variações no cultivo da planta.
Além disto, é preciso ter atenção ao que ocorre quando do uso combinado de Canabidiol e de outros medicamentos, sendo que estudos neste sentido já vêm sendo realizados. Não é porque é algo natural que não pode te prejudicar. Por exemplo, a tetrodotoxina, um bloqueador de canais de sódio produzido naturalmente por peixes e outros animais, é cerca de 100 vezes mais letal para os seres humanos do que o cianeto de potássio.
 
Morfina
Levou um tempo para que a morfina, por exemplo, medicamento derivado do ópio, de onde vem a heroína, fosse liberada para uso. Ainda assim, a morfina produz uma série de efeitos colaterais preocupantes, o que não ocorre com o Canabidiol. Ele é apenas um dos canabinoides extraídos da maconha, que contém mais ou menos 400 substâncias diferentes, dentre elas cerca de 60 canabinoides.
Fonte: site www.saudemedicina.com

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Alberto Isaac fala sobre liberdade de expressão e democracia

País mudou nos últimos 30 anos
 
 
            Decano do jornalismo regional, com 58 anos de profissão e 89 de vida (completa 90 em setembro), o veterano jornalista Alberto Isaac (foto) afirma que o Brasil mudou muito nos últimos 30 anos, período marcado pela redemocratização do país, após a ditadura militar (1964-1985).
            Isaac lembra que, durante o regime de exceção, “a censura era rigorosa, inclusive com a presença de censores nas redações dos jornais. Nessa época, o Estadão (jornal O Estado de São Paulo) costumava publicar receitas e poesias na primeira página”, afirma o jornalista. A prática acabou se tornando uma forma velada de protesto contra a censura, pois o leitor ficava sabendo que a poesia ou receita entrou no lugar de uma matéria censurada.
            Embora estivesse em plena atividade durante a ditadura, Alberto Isaac garante que nunca sofreu qualquer tipo de pressão. “A nossa Região é tranquila; apenas uma única vez um militar me procurou querendo saber porque eu criticava o então prefeito Joaquim Aleixo Machado. Eu disse: tudo bem, vou comunicar ao jornal a sua reclamação! Fiz a matéria e mandei, mas o jornal não publicou! Foi a única vez que isto aconteceu, o Estadão não costumava censurar minhas matérias”, conta o jornalista.
            Com o fim do regime militar, Isaac recorda que os jornais também se democratizaram. “Foi um momento muito especial: cada um escrevia o que bem entendia, mas é claro que havia o critério do Chefe de redação”, diz o jornalista.
 
Evolução
            De meados da década de 80 até hoje, a imprensa brasileira evoluiu muito, segundo a avaliação do veterano profissional. “A tecnologia evoluiu muito, mas os jornais ainda têm um peso enorme”.
            Sobre as recentes manifestações que aconteceram em várias cidades do Brasil, Alberto Isaac entende que “pelo que se observa é manifestação popular motivada por descontentamento, mas tem um viés político”, ressalta o jornalista, acrescentando que “as pessoas odeiam o PT, mas tem também pessoas do bem, que estão realmente preocupadas com o país. Democracia é isso! Se fosse durante o regime militar o protesto seria proibido e, se houvesse, seria reprimido”.
Assim como a maioria da população, ele não concorda com os protestos violentos que ocorreram no ano passado. “Aquilo antes era um baderna; hoje é pacífico, mas com viés político”, afirma o jornalista.
Alberto Isaac também se lembra da inflação galopante que existia há 30 anos. “Tenho uma loja no Mercado Municipal há 56 anos; na época da inflação descontrolada, eu comprava uma calça em um dia e no dia seguinte o preço era outro”. Ela recorda de uma antiga cliente que falava que o dinheiro pipocava em sua conta. “Mas não valia nada...a inflação comia tudo”.
            Para o veterano profissional, a liberdade de expressão só é possível dentro do regime democrático. “Essa é a vantagem da Democracia”, afirma, com a autoridade de que tem quase 60 anos de atuação ininterrupta no jornalismo. “Na verdade, comecei em 1952, mas parei por quatro anos para lecionar no Vale do Ribeira, voltei a escrever para o Estado em 57 e não parei mais”, esclarece Isaac.
 
Veja matéria completa na próxima edição da revista Hadar

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Expoagro começa nesta sexta


Evento deve receber mais de 500 mil visitantes
 
            A Expo-Agro (Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Itapetininga), será aberta nesta sexta-feira, 17. Segundo os organizadores, a feira deve atrair mais de 500 mil visitantes e movimentar entre R$ 10 a R$ 15 milhões na economia local.
            Em sua 45ª edição, a Expo-Agro está reformulada “e com novidade na infraestrutura, nas exposições de animais e na área de tecnologia agrícola. Já a parte recreativa recebe os principais nomes da música como Israel Novaes, Jorge& Matheus, Humberto e Ronaldo, Cristiano Araújo e Lucas Lucco”, informa a assessoria de imprensa do evento.
            Segundo a empresa Almeida Eventos, responsável pela organização da exposição (em parceria com o Sindicato Rural de Itapetininga), serão gerados três mil empregos diretos durante os nove dias do evento. As vendas de ingressos para os dias de shows atenderam a expectativa, de acordo com a empresa.
 
Novidades
            Ainda segundo a organização, entre as novidades estão novos camarotes e uma balada com estrutura Vip. A empresa informa ainda que serão disponibilizados camarotes para famílias e pacotes para os shows e as festas, com o objetivo de oferecer diversão e conforto ao publico. A animação ficará por conta da Anzuhall, uma das mais badaladas casas de show da região.
 
Investimentos
            Para viabilizar esta edição do evento, os organizadores calculam que foram feitos investimentos demais de R$ 3 milhões. Não há informação, entretanto, se estes recursos foram investidos totalmente na melhoria da infraestrutura do Recinto Acácio de Moraes Terra, onde a feira acontece.
            A assessoria de imprensa do evento informou que alguns setores da economia do município já sentem o impacto positivo da realização da Expo-Agro, como o setor hoteleiro, que espera um aumento de 30% da demanda no período da feira. Alguns estabelecimentos já estariam sem vagas disponíveis para os dias de shows.
Segundo a gerente de uma grande magazine na área central da cidade, a procura por vestuários e calçados se aquece neste período de exposição. “Muitas pessoas já consumiram produtos para serem usados na festa e acredito que nestes dias que antecedem o evento, o consumo irá aumentar ainda mais”, conta. Ela ressalta que espera um crescimento 10% nas vendas neste período.
A exposição é conhecida como a vitrine do segmento agropecuário de Itapetininga e Região, sendo considerada o maior evento do gênero na Região e um dos maiores do Estado. A feira conta com as principais novidades tecnológicas do setor agropecuário, palestras, julgamentos, leilões além de shows com principais nomes da música sertaneja do Brasil.
 
Transporte
            Um esquema especial foi planejado pela Prefeitura de Itapetininga para atender a demanda do evento. Segundo a assessoria de imprensa da administração municipal, serão sete linhas de ônibus atuando no transporte para a feira e vice-versa. Uma linha especial foi criada e fará o trajeto terminal-rodoviária-Expo-Agro, a partir das 20 horas, com saídas a cada 30 minutos. As outras seis linhas farão o transporte do recinto Acácio de Moraes Terra, com partidas de meia em meia hora.

terça-feira, 14 de abril de 2015

FMI prevê que PIB brasileiro terá retração


Economia brasileira desacelera e pode ter desempenho negativo

 
Antes da revisão dos dados, o FMI estimava
em 0,3% o crescimento da economia brasileira em 2015
            A previsão para o crescimento da economia brasileira este ano, na melhor das hipóteses, é de 1%, segundo estimativa do mercado financeiro para o resultado do PIB (Produto Interno Bruto), que é a soma de todos os produtos e serviços gerados no País. A expectativa para a inflação, por outro lado, já ultrapassa a casa dos 8%. Para o Fundo Monetário Internacional, no entanto, a economia brasileira deve encolher este ano. Entre os motivos apontados pelo órgão, estão a crise hídrica e energética, a falta de estrutura para combater a crise e, claro, a corrupção que campeia por todo o lado.
            Muitos brasileiros ainda devem se lembrar de quando a inflação anual superava os 230% e certamente ninguém quer que esta situação volte, afinal, nos acostumamos, nos últimos anos, a viver em uma economia estável, onde os preços não explodem em direção ao espaço de um dia para outro. Talvez seja por isso que estejamos tão indignados com os recentes reajustes de preços, principalmente na contas de energia, água e combustíveis. E os protestos registrados no último domingo abordam essa insatisfação e também deixam claro que o povo não suporta mais a corrupção.
            Com a economia desacelerando, não é apenas o governo que está apertando o cinto para fechar as contas em dia. Todo mundo está pisando no freio e economizando o quanto pode. Basta dar uma volta no comércio das cidades e não é difícil ver vendedores parados ou conversando entre si, já que os fregueses não aparecem. Os poucos que entram são disputados quase a tapas. Mas o crescimento do PIB brasileiro, ainda está a anos luz do crescimento chinês, segundo dados do Fundo Monetário Internacional.
            De acordo com o FMI, o PIB da China em 2015 deverá crescer quase 7% (precisamente 6,8%), seguido de perto pela Índia (6,3%), ambas as nações integram o chamado BRICS, grupo que reúne países emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e South África (África do Sul, em inglês). Ocorre que na lista com 11 países divulgada pelo FMI, o Brasil está em penúltimo. No começo do ano, o Fundo previu um crescimento de 0,3%, melhor apenas do que a Rússia, que deve ver a economia local encolher, com desempenho negativo de -3%. Em Abril, contudo, o FMI reviu os números. A expectativa agora é de que a economia brasileira encolha e apresente uma retração de -1%. A África do Sul nem aparece na lista.
 
Crescimento e inflação
No fim de março, o IBGE informou que a economia brasileira cresceu 0,1% em 2014. Em valores correntes (em reais), a soma das riquezas produzidas no ano passado chegou a R$ 5,52 trilhões, e o PIB per capita (por pessoa) caiu a R$ 27.229. Esse é o pior resultado desde 2009, ano da crise internacional, quando a economia recuou 0,2%.
            No caso da inflação deste ano, que começou pressionada pelo reajuste de preços de segmentos controlados, como combustíveis e energia, analistas estimam que a alta dos preços recuou na última semana. A previsão dos economistas, que era de 8,2% na semana anterior, passou para 8,13%, segundo o relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (13) pelo Banco Central. A informação é do portal G1.
Para 2016, a estimativa dos economistas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) ficou estável em 5,6%. O documento é fruto de pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. Mesmo com a queda, se confirmada, a previsão do mercado para a inflação de 2015 (de 8,13%) atingirá o maior patamar desde 2003, quando ficou em 9,3%. Em março, a inflação oficial ficou em 1,32%, depois de avançar 1,22% em fevereiro, segundo o IBGE. A taxa é a maior desde fevereiro de 2003, quando atingiu 1,57%, e a mais elevada desde 1995, considerando apenas o mês de março.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Fotógrafa pioneira conta sua história


Adalgiza de Oliveira Barros atua na profissão há mais de 60 anos

 


            “A fotografia é uma mágica e a gente viu o começo dessa magica na cidade”. A afirmação não poderia ser feita com mais autoridade e conhecimento de causa, pois Adalgiza de Oliveira Barros, a Dona Ziza, como é conhecida, é pioneira como fotógrafa profissional em Itapetininga, possuindo experiência de mais de seis décadas de atuação.
            Ziza acompanhou e participou da história da fotografia na cidade, superando obstáculos, como dificuldades técnicas, incluindo a pouca energia que Itapetininga possuía na época, e o preconceito por ser mulher. Registrando casamentos e eventos, a pioneira presenciou o crescimento da cidade, pois o município hoje é bem diferente do que quando ela começou. Em seu acervo, a fotógrafa possui material histórico, como por exemplo, fotos das antigas igrejas de Nossa Senhora Aparecida e de Nossa Senhora das Estrelas, além de fotografias da primeira metade do século passado.
            Apaixonada por fotos, Dona Ziza passou esse amor ao marido, o conhecido fotógrafo Theodoro Rodrigues de Barros Neto, e aos filhos: Maria Virgilina (Vivi), José Luiz e Adriano, que agora administram a empresa da família, a Real Foto. Mesmo aposentada e aos 81 anos, Ziza continua a frequentar a loja, acompanhando a evolução tecnológica das fotos digitais e também vendo a terceira geração da família começar a atuar no ramo, através de um neto que faz o delicado trabalho de restauração de fotos. Veja agora um pouco da história desta pioneira, que também desenvolve importante trabalho social.
Antiga Igreja das Estrelas
            “Comecei a trabalhar com fotos aos 14 anos, primeiro fazendo serviço interno e depois, dos 19 aos 26, como fotógrafa profissional”, lembra Ziza. Ela recorda que começou a trabalhar na Foto Studio (rua Campos Salles), de propriedade de Primo J. Costa, “Depois fui trabalhar com o seu Bibi, que tinha uma foto em frente ao Clube Recreativo Itapetiningano (CRI), em cima do antigo Cine Olana; depois fui para a Foto Princesinha, onde cheguei a gerente, até conhecer o Theodoro”, conta Ziza, que deixou de trabalhar com fotos para ajudar o marido, na época proprietário do Bar Nossa Senhora de Fátima, quase na esquina da rua Pedro Marques com Virgílio de Rezende.
            Mas o serviço no bar era dispendioso e desgastante e, ao nascer o terceiro filho, Adriano, o casal resolveu montar uma loja de fotos. “Como eu gostava de fotografar e já tinha experiência no ramo, montamos a foto ao lado do bar. No começo eu dividia meu tempo entre a loja e o bar, até que o serviço de fotos foi crescendo e o Theodoro fechou o bar e veio me ajudar”, lembra Ziza.
 
Vencendo preconceitos
            E experiência é o que não faltava à Dona Ziza, já que dos 14 aos 26 anos trabalhou com fotografia e foi a primeira mulher a aparecer como fotógrafa profissional em eventos e casamentos. “As pessoas estranhavam quando me viam na igreja e perguntavam: mas o que é isso?”, lembra a veterana profissional, rindo.
            Outra barreira vencida foi a de fotografar ocorrências policiais, como acidentes e apreensão de drogas. “Como não tinha fotógrafo perito naquele tempo, o delegado, que era amigo do meu pai, veio pedir para eu fazer as fotos; meu pai deixou desde que uma pessoa de confiança me acompanhasse”, disse a fotógrafa, ressaltando que, nesse tempo, fez muitas fotos tristes, como de cadáveres, “Mas depois fiz muitas fotos alegres também”, afirmou.
            Uma passagem interessante aconteceu quando ela foi chamada para fotografar um acidente nas proximidades do distrito do Gramadinho. “Quando eu estava pegando minha máquina para fotografar, veio um guarda e perguntou: O que você tá fazendo aqui mocinha? Aí o taxista que me levou falou que o delegado tinha pedido para eu fotografar”, lembra Ziza. Em outra ocasião, foi fotografar três pés de maconha apreendidos pela polícia em uma residência. “Hoje se fala em maconha com a maior naturalidade, mas naquela época era tabu. Eu mesma só conheci quando fui fotografar”.
            Já em seu próprio negócio, Adalgiza fazia de tudo, desde preparar a parte química para a revelação de filmes, até viajar para cobrir eventos em cidades da Região, como São Miguel Arcanjo, Guareí e Buri, entre outras. Ela lembra que à noite, ao lado do marido, revelava, recortava e deixava os filmes para secar, tudo feito manualmente.
 
Em busca de água
            Embora nessa época não houvesse tanta preocupação com a água, Ziza pegava o carro, colocava os filhos dentro e sair recolher água pura das nascentes do município, ideal para fazer o químico usado na revelação.
            “Tudo era bem diferente de hoje, da era digital”, comenta a fotógrafa. Com o tempo, a empresa da família foi crescendo e se modernizando. Mudou de endereço, permanecendo na Virgílio de Rezende, mas desta vez em prédio próprio.
            Com a entrada do filho mais novo, Adriano, a empresa passou – e ainda passa – por um processo de modernização para acompanhar a constante evolução da tecnologia, principalmente nos últimos anos.
            Assim como a fotografia, a cidade também evoluiu e mudou muito nestes anos todos, de acordo com a avaliação da fotógrafa. “Hoje, com a foto digital, você tira a foto e vê o resultado na hora; antes, tinha de esperar revelar o filme para ver como ficou a foto. E houve uma época em que Itapetininga não tinha energia suficiente. Então para tirar foto 3x4 tinha de ser uma por uma, pois tinha de ver no sol se ficou boa a foto, já que a luz não era suficiente. A gente abria a cortininha no sol e contava, se contasse errado perdia a foto e depois de pronta tinha de ver no sol se realmente ficou boa”.
            Certamente, uma época bem diferente da atual, com ruas asfaltadas, energia boa e tecnologia cada vez mais evoluída. Mas, assim como em outras atividades, talento e profissionalismo são indispensáveis para reali\zar um trabalho de qualidade. “Hoje em dia, até celular tira foto, mas quem quer qualidade deve procurar um profissional. Um álbum de casamento, por exemplo, é uma obra de arte e só um fotógrafo profissional pode fazer”, aconselha a veterana fotógrafa.
Além do trabalho profissional, Dona Ziza sempre desenvolveu trabalho social e religioso, atuando na catequese na paróquia de Nossa Senhora das Estrelas. Ela também sempre ajudou a comunidade do bairro da Rocinha e hoje, é com satisfação que vê entrar em sua loja homens feitos, pais de família, que quando crianças foram catequizados por ela. “Deus foi tão bom comigo que me deu tudo que pedi: um bom casamento e filhos maravilhosos”, conclui Ziza.
 
Texto: Marco Antônio
Fotos: Arquivo pessoal