quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Feriadão: mais de 480 mil veículos devem passar pela Região

Tempo chuvoso requer atenção dobrada

O trânsito era intenso na Marginal Tietê logo cedo

          Com a perspectiva de chuva durante todo o feriado prolongado do Dia de Nossa Senhora Aparecida (12 de outubro), Padroeira do Brasil, o trânsito nas estradas paulista deve ficar mais intenso e complicado, principalmente no sistema Anchieta-Imigrantes, que leva ao litoral. A previsão é de que dois milhões de veículos deixem a capital com destino à praia e ao interior do Estado. O movimento deve ser mais intenso na tarde e noite desta quinta-feira (dia 11) e manhã e começo da tarde de sexta, dia 12, para quem for para o interior; já o pico do retorno à capital deve ser entre a tarde e noite de domingo.

Região
          A concessionária CCR SPVias, que administra trechos de rodovias na Região Sudoeste do Estado, iniciou à zero hora desta quinta-feira a Operação Dia da Padroeira. A expectativa é que 487 mil veículos circulem nas rodovias da concessionária, que realiza um esquema especial de atendimento até a meia-noite de domingo, dia 14.
          Segundo a empresa, o maior movimento é esperado na Rodovia Castello Branco (SP-280), principal ligação para os municípios de Quadra, Cesário Lange, Torre de Pedra, Porangaba, Bofete, Pardinho, Itatinga, Iaras e Águas de Santa Bárbara. A previsão é que 307 mil veículos passem por este trecho.
Nas rodovias Antonio Romano Schincariol e Francisco da Silva Pontes (SP 127), entre os municípios de Tatuí e Capão Bonito, a expectativa é de 61 mil veículos. Na Rodovia Raposo Tavares (SP 270), nas proximidades de Itapetininga, Alambari, Sarapuí e Araçoiaba da Serra, o movimento esperado é de 50 mil veículos. Na Rodovia Francisco Alves Negrão (SP 258), que atravessa os municípios de Capão Bonito, Taquarivaí, Itapeva, Buri e Itararé, o movimento esperado é de 31 mil veículos. Na Rodovia João Mellão (SP-255), região de Avaré, devem trafegar aproximadamente 38 mil veículos.
Durante esse período, a CCR SPVias informou que toda a frota de veículos da Concessionária estará em operação para inspecionar o tráfego e prestar socorro médico e mecânico, que pode ser solicitado através do 0800-703-5030, gratuitamente, 24 horas por dia.

Texto: Marco Antonio
Foto: reprodução TV

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Eleições tranquilas marcam o avanço da direita no país

Renovação no Congresso mostra insatisfação do eleitor

Eleitores votam em Itapetininga


          As eleições do último domingo apresentaram números surpreendentes, criando alguns fenômenos eleitorais e transmitindo um claro recado à classe política: a sociedade brasileira está atenta e deseja mudanças, começando por tirar do poder nomes que há décadas mandam na política nacional.
          No Senado, por exemplo, a renovação será de 85%, com 46 novos senadores (haviam 54 vagas em disputa); dos 43 senadores que tentaram a reeleição, apenas oito conseguiram voltar.
          Na Câmara dos Deputados, a renovação ficou em torno dos 47%. A participação de mulheres na Câmara aumentou 51% em relação a 2014. Também houve aumento entre os candidatos que se identificam como negros: neste ano, foram eleitos 65 candidatos, contra 52 em 2014 (um aumento de 25%). Ainda assim, apenas 4% dos eleitos para o Senado, a Câmara e as assembleias estaduais são pretos, segundo dados do TSE. A onda de renovação tirou de cena nomes tradicionais da política nacional, como a família Sarney, no Maranhão, os irmãos Jorge e Tião Vianna, do Acre, e até mesmo o petista Eduardo Suplicy, derrotado para o Senado.

Fenômenos

Segundo o G1, portal de notícias da Globo, o estado de São Paulo – maior colégio eleitoral do país – produziu verdadeiros campeões de votos, fenômenos que bateram recordes, obtendo milhões de votos. Três desses fenômenos são do PSL, partido do presidenciável jair Bolsonaro.
O deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do candidato à presidência, conseguiu a reeleição atingindo a maior votação absoluta do Brasil para a Câmara: mais de 1,8 milhão de votos para o candidato;
Para o Senado, em números absolutos, também é de São Paulo o campeão na preferência dos eleitores. Major Olímpio, do PSL, ultrapassou os nove milhões de votos. Praticamente um em cada quatro eleitores paulistas votou nele.
Para a Assembleia Legislativa de São Paulo mais uma votação recorde. A advogada Janaína Paschoal, na sua primeira eleição, se tornou a deputada mais votada. Não apenas do Estado de São Paulo, mas do Brasil. A novata conquistou 2,06 milhões de votos, cerca de 200 mil votos a mais do que o deputado federal Eduardo Bolsonaro. Com essa votação, ela poderia ser eleita, com muita folga, para a Câmara Federal.
Janaína Paschoal foi uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016.

Números
          Jair Bolsonaro (PSL), obteve 49.276.897 de votos (46,03% dos votos válidos) contra 31.341.997 de votos concedidos a Fernando Haddad (PT), ou seja. 29,28% dos votos válidos. O segundo turno da eleição presidencial está marcado para o dia 28 deste mês.

Região
Jair Bolsonaro ganhou em Itapetininga (63,60% dos votos válidos, Angatuba (50,87%), Tatuí (61,92%), Sarapuí (50,71), Alambari (58,78%), São Miguel Arcanjo (51,86%), Sorocaba (59,07%), Capão Bonito (54,85%). Fernando Haddad e Geraldo Alckmin se alternaram no segundo lugar, mas nunca ameaçaram a liderança do Bolsonaro.

Assembleia e Câmara
Segundo o G1, quatro candidatos da região de Itapetininga foram eleitos no domingo. Destes, dois são deputados estaduais e dois deputados federais. Eles assumem os cargos a partir de janeiro de 2019. O mandato é de quatro anos e os deputados podem ser reeleitos sucessivamente.
Nas eleições de 2014, a região elegeu apenas um deputado federal: Guilherme Mussi (PP). Este ano, o número subiu para dois. Guilherme Mussi foi reeleito e também entrou Guiga Peixoto (PSL), de Tatuí.
Entre os deputados estaduais foram três eleitos em 2014: Campos Machado (PTB), Edson Giriboni (PV) e Antônio Salim Curiati (PP). Quatro anos depois, o número caiu. A região elegeu dois representantes: Campos Machado (reeleito) e Frederico D'ávila (PSL).
Depois de vários mandatos, Giriboni não se reelegeu, mas pegou suplência, com 59.701 votos. Estreante na política, o Coronel Badin (PSL), que atou na Polícia Militar em Itapetininga e Região, também conquistou a suplência, com 20,9 mil votos.

Texto e foto: Marco Antonio

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Pátria amada Brasil

É preciso amar o país


          Neste dia 7 de setembro, quando se comemora o 196º aniversário do grito de independência do Brasil, proferido por Dom Pedro 1º às margens do Ipiranga, córrego da então Vila de São Paulo, é bom que nós brasileiros reflitamos um sobre o nosso país e o futuro que desejamos para ele e, também, para nossos filhos e netos.
          Não é fácil amar o Brasil, um país onde as leis parecem serem feitas para não serem cumpridas. Um país que carece – e como carece – de lideranças que se pautem pela ética e honestidade. Um país onde muitos acham que as regras foram feitas para os outros e não para todos; uma nação que ainda não encontrou sua própria identidade.
          Estamos a poucos dias da eleição presidencial e este talvez seja o pleito mais importante dos últimos anos, tendo em vista o atual contexto sócio-político e econômico do Brasil e do mundo, bem como os desafios que o próximo presidente irá enfrentar, dentro e fora de nossas fronteiras.
          Pode parecer redundante e até inútil falar sobre a importância do voto, mas ele é o principal instrumento de mudança em um estado democrático de direito.
          Por mais que a democracia tenha falhas, sempre é preferível à ditadura, seja de direita ou de esquerda. Os países com melhor qualidade de vida são democráticos! E o que importa é isso: qualidade de vida.
          Realmente a vida no Brasil hoje não é fácil, mas não podemos jogar toda a responsabilidade em cima dos políticos e governantes. Cada cidadão tem de fazer a sua parte, porque não adianta criticar os outros, se também fazemos os mesmos erros. Educar através do exemplo é o melhor caminho.
          Se o Brasil carece de lideranças atualmente, é porque no passado, em algum ponto da jornada, houve falha na educação e formação destas lideranças. Uma casa não se sustenta se o alicerce for fraco.
          E o alicerce de uma nação é a educação, que começa em casa, no seio familiar. Os pais têm de assumir suas responsabilidades como educadores e não deixar tudo por conta do Estado, ou, em alguns casos, da rua.
          Não é fácil ser um cidadão, na acepção da palavra, mas essa dificuldade existe tanto no Brasil quanto em outros países. Nenhuma nação nasceu pronta. Os países e seus cidadãos foram forjados ao longo da história, entre idas e vindas, vitórias e derrotas.
          De quisermos mudar o Brasil, temos que começar mudando a nós mesmos, nossa casa, nossa família, nosso bairro, nossa cidade e assim por diante. Por isso é importante votar e fazer isto de maneira consciente. Procure conhecer o trabalho, a vida e as propostas dos candidatos. Se isto for difícil, preste atenção, pelo menos, nos discursos, entrevistas e falas. Promessas mirabolantes e milagrosas devem ser excluídas. Ninguém tira um país da crise, com promessas espalhafatosas, assim como ninguém nasce após um mês de gravidez. Pense nisso na hora de votar.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Fumo mata 200 mil por ano no país

Tabagismo é a maior causa de morte evitável no mundo, diz OMS



Nesta quarta, 29, é o Dia Nacional de Combate ao fumo (tabagismo), um hábito que causa a morte de 200 mil brasileiros todo ano. No mundo todo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o fumo mata 4,9 milhões de pessoas por ano. Um número que pode chegar a 10 milhões em 2030.
Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), embora tenha havido uma diminuição no número de brasileiros com mais de 15 anos que são fumantes, desde 1989, quase 19% dos brasileiros nessa faixa etária fumam. No mundo todo, há mais de um bilhão de fumantes, de acordo com a OMS.

Perigo
Existe mais de 50 doenças relacionadas ao consumo de tabaco, segundo levantamento do INCA.  O tabagismo está relacionado a: 25% das mortes causadas por doença coronariana - angina e infarto do miocárdio; 45% das mortes causadas por doença coronariana na faixa etária abaixo dos 60 anos; 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa etária abaixo de 65 anos; 85% das mortes causadas por bronquite e enfisema; 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos); 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo de útero); 25% das doenças vasculares (entre elas, derrame cerebral). O tabagismo ainda pode causar a impotência sexual no homem.

Bexiga
Pesquisa do Hospital de Transplantes de São Paulo, divulgada nesta quarta, Dia Nacional de Combate ao Fumo, mostra que três em cada quatro pacientes de câncer na bexiga são ou foram fumantes. Foram estudados 1.130 casos. Fatores como idade, histórico familiar e o fato da pessoa não beber muita água também contribuem para desenvolver a doença.
Segundo os médicos, as toxinas do cigarro são absorvidas pelo pulmão, entram na corrente sanguínea e vão para os rins, daí para a urina que fica guardada na bexiga. Em 20% dos casos é preciso retirar a bexiga

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Festa das Estrelas começa nesta sexta

Festividades vão até o dia 19




Começam nesta sexta-feira, dia 10, as festividades em louvor a Nossa Senhora das Estrelas, em Itapetininga. A abertura oficial será às 19h30, com missa solene presidida pelo bispo diocesano, Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto. Durante a celebração, a imagem da padroeira receberá a Estrela da Alegria, a primeira das 12 estrelas que formam a coroa de Nossa Senhora das Estrelas. Na parte artística, haverá shows e praça de alimentação todos os dias após as missas, que começam às 19h30 diariamente.
No domingo, 19, o padre Júlio Campos celebra missa solene as 11 horas. O encerramento acontece a partir das 19 horas, com procissão seguida de missa solene a partir das 19h30, quando haverá a coroação da imagem da padroeira. 

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Quando a busca pela beleza pode ser perigosa

Morte de bancária levanta questões sobre cirurgia plástica

Implante de silicone é o segundo procedimento mais procurado no país

 
A morte da bancária Lilian Calixto, de 46 anos, ocorrida no dia 15 de julho, após se submeter a um procedimento estético na cobertura de um médico em um bairro nobre do Rio de Janeiro, mostrou quão perigosa a busca pela perfeição estética pode ser, ainda mais se as pessoas não tomarem os devidos cuidados, como procurar um profissional capacitado (geralmente indicado por outro profissional) e estar atenta para o local e as condições onde tal procedimento será realizado.
          O Brasil é o segundo país no ranking mundial da cirurgia plástica, com mais de um milhão, duzentas e vinte e quatro mil cirurgias plásticas realizadas em 2015, segundo levantamento da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética. A lipoaspiração é o procedimento mais realizado no país, com mais de 182 mil cirurgias, seguido pelo implante de silicone nos seios, com quase 159 mil procedimentos. Embora sejam números impressionantes, as estatísticas já foram maiores: em 2013, o Brasil ocupou o primeiro lugar no ranking, com quase 1,5 milhão de cirurgias, desbancando os Estados Unidos (atuais líderes).
          Como se vê, este e um assunto muito sério e por isso mesmo as pessoas devem tomar o maior cuidado na hora de decidir por um procedimento cirúrgico. Afinal, com a saúde e a vida não se pode brincar.
          O Brasil teve um dos maiores nomes da cirurgia plástica: o renomado médico Ivo Pitanguy, conhecido mundialmente. Com seu trabalho, ele colocou o Brasil entre os destaques nessa área, inspirando muitos profissionais e elevando a autoestima de milhares de pessoas. Afinal, deixar as pessoas de bem com o próprio corpo é um dos objetivos da cirurgia estética praticada por profissionais competentes e responsáveis.
          O site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica disponibiliza informações para quem deseja encontrar um bom cirurgião. Basta acessar o link: http://www2.cirurgiaplastica.org.br/encontre-um-cirurgiao/.


Motivos
          Segundo o cirurgião plástico Rodrigo Fulini Brasil (CRM 139426) existem vários motivos e razões para a pessoa fazer plástica.
          “Todos nós temos algo que gostaríamos de mudar na nossa aparência, às vezes pequenos detalhes, que podem incomodar tanto, que aquele pequeno “defeito” que muitas vezes só a pessoa vê, se torna algo insuportável, levando a um prejuízo social devido a não aceitação da própria imagem”, afirma o cirurgião.
          Segundo ele, “é fundamental que haja um equilíbrio entre Saúde mental e aparência física. É muito comum esses pacientes atribuírem todo o fracasso da vida particular e social à sua aparência física, depositando assim, toda solução dos seus problemas no cirurgião plástico, como se o cirurgião plástico fosse um psiquiatra com um bisturi na mão. Seguramente, esses pacientes nunca ficarão satisfeitos e vão pingar de consultório em consultório até que encontrem algum médico disposto a operá-lo novamente.  O cirurgião plástico, dentro de sua ética profissional, deve identificar esses pacientes compulsivos e encaminhá-los sim a um profissional da saúde mental”.
          Fulini destaca os casos em que o médico pode indicar cirurgia plástica. “O intuito numa cirurgia plástica, seja estética ou reparadora, é tentar devolver ao paciente sua autoestima, assim como melhorar sua qualidade de vida. Então em primeiro lugar deve haver indicação médica correta, que muitas vezes não é aquilo que o paciente espera, por isso é de suma importância que durante a consulta o cirurgião esclareça todas as suas dúvidas e acrescente as informações necessárias”.
O cirurgião ressalta a grande variedade de procedimentos abrangidos pela cirurgia plástica. “Há uma tendência popular em separar a cirurgia plástica como estética e reparadora. A cirurgia plástica é uma especialidade única, que engloba um leque muito grande de procedimentos. Sem dúvida é uma das especialidades médicas com maior diversidade de tratamentos, motivo pelo qual exige tantos anos de estudo e dedicação do profissional da área. Nós atuamos no corpo todo, da unha do dedo do pé até o fio de cabelo. Relacionamo-nos com diversas especialidades médicas e, também, com outros profissionais de saúde, essa sincronia é fundamental para o sucesso do tratamento cirúrgico”.

Cuidados
           De acordo com o médico, “todas as pessoas podem ser candidatas à cirurgia plástica, porém devem ter condições de saúde, mesmo os pacientes com alguma patologia crônica como, por exemplo, hipertensão e diabetes desde que devidamente controlados e liberados pelo seu médico, podem realizar cirurgia plástica”. Ele ressalta que este tipo de cirurgia não deve ser indicada “em pacientes compulsivos, como comentei anteriormente, em pacientes fumantes inveterados, obesos, e pacientes com qualquer doença de base que não esteja devidamente controlada e acompanhada pelo seu médico. Nestes pacientes a cirurgia plástica está contraindicada”.
          Rodrigo Fulini observa que “nenhuma cirurgia plástica deve ser indicada quando os riscos superem os benefícios. Em geral, desde que seja corretamente indicada a cirurgia plástica traz muito pouco risco ao paciente. Não há idade limite para cirurgia plástica, pois existem patologias congênitas que o resultado do sucesso depende do tratamento cirúrgico precoce, como por exemplo: fissuras lábio-palatinas (lábio leporino), algumas síndromes crânio faciais, entre outras. Em contrapartida, é muito comum o câncer de pele em pessoas idosas, além de outras condições que exigem tratamento cirúrgico especializado”.
          Ainda segundo o cirurgião, as mulheres representam 80% das pessoas que procuram cirurgia plástica, “mas progressivamente os homens cada vez mais estão procurando cirurgião plástico, esse número se deve também à grande procura dos homens na cirurgia do transplante capilar”.

Mais cuidados
          Segundo o cirurgião, as cirurgias plásticas são mais demoradas, “pois trabalhamos sempre com harmonia e simetria, portanto tudo que se faz de um lado deve-se fazer do outro, se passarmos uma linha reta dividindo o corpo em duas metades, veremos que nenhum de nós é simétrico o que exige do cirurgião muita sensibilidade para tentar deixar mais harmônico possível e isso pode levar um certo tempo. Cada cirurgião tem seu tempo, cirurgia rápida não é sinônimo de bom resultado e o contrário também é verdadeiro, o importante é sempre priorizar um tempo seguro para o paciente, por isso que muitas vezes os pacientes desejam fazer cirurgias combinadas, como por exemplo mama e abdome, mas tem cirurgião que prefere dividir em dois tempos pela segurança do paciente”.
          Outra etapa que exige cuidado e atenção é o período pós-operatório, como lembra o médico. “O mês de maior movimento na Cirurgia plástica é julho, pois a associação de frio e férias é uma excelente combinação para uma recuperação mais confortável. De um modo geral, pedimos no mínimo 15 dias de afastamento das atividades trabalhistas, mas isso pode variar de acordo com o procedimento”.

Mito
          O cirurgião observa ainda que “existe um mito que não se pode realizar cirurgia plástica em clínica. Na verdade, se a clínica tem liberação da vigilância sanitária para realização de cirurgia plástica, é porque essa obedece aos rigorosos critérios impostos por esse órgão. Em toda clínica deve ter exposto o alvará da vigilância sanitária, que é o órgão fiscalizador. É claro que cirurgias maiores e pacientes selecionados deverão sim realizar a cirurgia numa clínica com todo suporte necessário e UTI ou no mínimo convênio com uma UTI mais próxima, caso contrário estes pacientes devem ser operados num hospital com o devido suporte”.
          Ao contrário do que muitos pensam, Rodrigo Fulini garante que a anestesia hoje é muito segura. “o paciente é rigorosamente entrevistado pelo anestesista e todos os exames são checados antes da anestesia. Além de que durante toda a cirurgia o anestesista está de olho no paciente e nos parâmetros do monitor, tornando a cirurgia muito tranquila para o cirurgião”.
          Veja matéria completa na edição de agosto da revista Hadar.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Saiba evitar o acesso ao código da chave do seu carro

Método simples evita que ladrões copiem o código das chaves automáticas



          Abrir o carro à distância, com apenas um clique na chave, é uma coisa tão comum quanto elegante nos dias de hoje. Mas este conforto oferecido aos proprietários traz um risco quer pode fazer com que ladrões roubem seu automóvel sem fazer muito esforço.
          Segundo o portal G1, da TV Globo, o problema existe porque as chaves automáticas dos carros modernos estão constantemente emitindo sinais para eles. Nessa situação, ladrões podem comprar chaves "virgens" e usá-las para replicar o código de acesso de um determinado veículo.

Como evitar que isso aconteça?
A forma mais fácil de precaução contra isso é embrulhar as chaves em papel alumínio. Este método simples pode fazer com que os mais distraídos queiram levar as chaves ao forno para gratinar, mas não façam isso!!! Brincadeiras à parte, o papel alumínio bloqueia a emissão dos sinais, impedindo que os bandidos repliquem o código do veículo. A função do papel alumínio é criar uma célula para evitar que as ondas eletromagnéticas sejam registradas por outra pessoa.
Outra opção é comprar pela internet uma "bolsa de Faraday", que tem a mesma função de isolamento do alumínio e serve como um escudo contra a transferência de informações que poderiam ser usadas no roubo do carro.

Ataques ocorrem cada vez mais
Para muitos, pode parecer antiquado, no século XXI, usar papel alumínio para proteger algo tão tecnológico. Mas este método tem se mostrado eficiente e necessário, como apontam especialistas, pois este tipo de crime está cada dia mais comum. Os dispositivos necessários para este golpe são facilmente encontrados na internet e há até vídeos mostrando como usá-los.
Um problema desta dimensão não passaria desapercebido pela indústria automotiva, que busca maneiras de impedir que terceiros consigam replicar a comunicação entre uma chave e um veículo.

Alertas
Segundo o G1, este tipo de crime não acontece apenas com carros e precauções têm sido tomadas de olho nisso. Algumas pessoas, por exemplo, tomam o cuidado de proteger seus cartões de crédito em carteiras "isolantes".
Além disso, instituições governamentais dos Estados Unidos, por exemplo, entregam determinados documentos a seus usuários dentro de invólucros especiais para evitar a transferência e o roubo de dados, como é o caso do Green Card ou Cartão de Residente Permanente - o visto permanente de imigração concedido pelas autoridades do país. No caso dos carros, os roubos podem ser cometidos com bastante facilidade.
"Você chega a uma casa que tem um carro estacionado na frente, detecta uma chave a dez passos dele, dentro de uma sala, e consegue desbloqueá-lo. Enquanto as ferramentas estiverem disponíveis, o cenário para esses roubos me parece cada vez mais provável ", disse ao jornal USA Today o diretor do Centro de Segurança de Sistemas de Computadores da Universidade do Sul da Califórnia, nos EUA, Clifford Neuman.
Quando leu pela primeira vez sobre o risco de seu carro ser roubado desse jeito, ele começou a guardar suas chaves à noite dentro de uma lata de café vazia. Os especialistas continuam recomendando que, até as empresas fabricantes encontrarem uma solução para o problema, é preferível usar o papel alumínio antes de deixar as chaves onde provavelmente elas estão guardadas agora: no bolso de uma calça, dentro da bolsa ou sobre uma mesa.

Fonte: Site G1